Publicado 21 de Dezembro de 2021 - 16h01

Por O Estado de S.Paulo

Por Redação

Fafá de Belém será uma das integrantes do time de técnicos do The Voice+, da TV Globo. A nova temporada do reality show musical da emissora tem estreia prevista para 30 de janeiro.

Com mais de 45 anos de carreira e dona da gargalhada mais famosa do Brasil, Fafá estará ao lado de Ludmilla, Daniel e Mumuzinho para conhecer e selecionar os melhores candidatos.

"A gente vai ter uma aula diferente e uma pitada de alegria a mais, porque Fafá é luz, ela tem uma energia muito boa e tudo será emanado junto: a música, bons cantores, pessoas experientes e a arte junto com Fafá e nossos amigos técnicos", declara o sertanejo Daniel. "Fafá é um ícone da nossa música. Estar como técnica na mesma edição que ela é uma honra", diz Ludmilla. Mumuzinho concorda: "Fafá é uma referência pra mim e uma das personalidades musicais que eu tenho o maior carinho. Fafá é dona de um sorriso encantador e uma das gargalhadas mais engraçadas que eu conheço".

Fafá de Belém fala um pouco mais sobre como está se sentindo em fazer parte do time do reality show.

Você é fã do The Voice?

O que mais me encanta no 'programa é que você ouve a voz e é por ela, pela emissão da voz e pelo que ela te toca, que você vira ou não a cadeira. Porque, muitas vezes, a aparência e o estilo do candidato podem nos induzir a tomar uma decisão, o que não é fundamental. Fundamental é a forma como o cantor toca a nossa alma. Isso me encanta em todas as versões do 'The Voice'. Eu assisti e torci muito pelas pessoas na primeira temporada do Voice+. E o que acho mais bacana é que o programa dá oportunidade para pessoas que já estiveram nos palcos profissionalmente ou que nunca abriram mão da sua alma, do espaço do palco, e dá uma primeira ou segunda chance. Isso é fabuloso, porque, na vida, hoje, os 60 são os novos 30.

Qual sua expectativa como técnica do programa?

Eu fiquei muito feliz com o convite. Até mesmo porque vou conseguir interagir com uma geração de cantores que não é a minha, mas eu adoro. E acredito que eu posso aprender muito com eles. Acho que a gente pode trocar, estou muito feliz. O que eu espero de mim? O chororô (risos). Tenho certeza que terá gargalhadas, mas lágrimas também.

Qual o principal conselho você pretende dar aos candidatos do seu time?

Afinação e emoção. Não existe cantar desafinado. Quem escreveu a música, escreveu todas as notas. Então, observar as notas. Quer fazer uma bossa? Ok. Mas sair do tom, não. Esse é meu critério fundamental. Assim como emoção. Não adianta, também, você ficar ligado só na nota e na técnica e não passar emoção, não arrepiar as pessoas. Não as fazer chorar, não as fazer gargalhar, não sentir que você faz parte da vida do público. Isso é minha orientação, para mim e para a vida. Eu estarei atenta, basicamente, a isso. A técnica é fundamental para ajudar, a base para construir tudo isso, mas, cantor frio, para mim, não rola.

Escrito por:

O Estado de S.Paulo Redação