Publicado 20 de Dezembro de 2021 - 21h31

Por Estadão Conteúdo

O Senado dos Estados Unidos aprovou uma legislação nesta terça-feira para elevar o limite da dívida do país em US$ 2,5 trilhões, sob um acordo firmado entre os líderes partidários, neutralizando uma questão volátil até depois das eleições de meio de mandato do próximo ano, enquanto sobrecarrega a maioria dos democratas com uma votação difícil.

A votação em linha com os partidos de 50 votos a 49 veio apenas um dia antes do prazo estabelecido pela secretária do Tesouro, Janet Yellen, que advertiu no mês passado que estava ficando sem espaço de manobra para evitar o primeiro calote do país. A medida agora vai para a Câmara, onde uma votação pode ocorrer na terça à noite, enviando-a para a mesa do presidente Joe Biden.

"Trata-se de pagar dívidas acumuladas por ambos os partidos, por isso estou satisfeito que republicanos e democratas tenham se unido", disse o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, sobre o acordo, que criou uma solução alternativa que permitiu aos democratas evitarem uma obstrução republicana. Estabelecido em 1917, o teto serve como um freio nas decisões de gastos já aprovadas pelo Congresso e pela Casa Branca - algumas décadas atrás - que se não fosse pago poderia paralisar os mercados, colocar a economia em parafuso e abalar a confiança global nos EUA.

Durante meses, os republicanos usaram o limite da dívida para atacar a agenda social e ambiental de grandes gastos dos democratas, enquanto prometiam se opor firmemente ao esforço atual para aumentar o limite. Recentemente, em outubro, o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, disse que não "participaria de nenhum esforço futuro para mitigar as consequências da má gestão democrata". Ao fechar um acordo, McConnell voltou atrás em sua palavra. Mas ele também conseguiu muito do que queria: os democratas votando de forma politicamente difícil, sem o apoio dos republicanos, ao mesmo tempo que aumentaram o limite em uma cifra impressionante em dólares que certamente aparecerá em futuros anúncios.

O atual endividamento de US$ 28,9 trilhões vem se acumulando há décadas. Os principais impulsionadores incluem programas de gastos populares, como Seguro Social e Medicare, juros sobre a dívida e pacotes de alívio pela pandemia recentes. Mas a tributação também é um fator importante, e uma série de cortes de impostos promulgados por presidentes republicanos nas últimas décadas também contribuíram para isso. Fonte: Associated Press

Escrito por:

Estadão Conteúdo