Publicado 18 de Dezembro de 2021 - 18h11

Por AP

O pai alemão do candidato presidencial chileno José Antonio Kast foi membro do partido nazista de Adolf Hitler, revelou uma carteira de identidade descoberta pela agência Associated Press. O documento desmente as declarações do candidato de que seu pai teria prestado apenas o serviço militar compulsório durante a 2ª Guerra.

Autoridades alemãs confirmaram esta semana que uma carteira de identidade armazenada no Arquivo Federal do país mostra que um jovem de 18 anos chamado Michael Kast ingressou no Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, ou NSDAP, em 1º de setembro de 1942, no auge da guerra de Hitler na União Soviética.

Embora o Arquivo Federal não tenha conseguido confirmar se Michael Kast era o pai do candidato à presidência, a data e o local de nascimento listados no cartão correspondem aos seus. Uma cópia do cartão de identidade, identificado com o número de membro 9271831, foi postado nas redes sociais em 1º de dezembro pelo jornalista chileno Mauricio Weibel.

O surgimento da carteira de identidade é uma nova reviravolta nas eleições presidenciais do Chile, que serão decididas no próximo domingo, 19, em um segundo turno marcado como uma batalha de extremos entre a esquerda e a direita.

Kast, de 55 anos, do recém-formado Partido Republicano, venceu o primeiro turno no mês passado, superando o segundo colocado, o esquerdista Gabriel Boric, por dois pontos de vantagem.

Pinochet

A família Kast tem laços profundos com a ditadura militar do general Augusto Pinochet, que assumiu o poder no Chile após um golpe em 1973. Seu irmão, Miguel Kast, foi presidente do banco central do ditador.

"Se ele estivesse vivo, teria votado em mim", disse Kast sobre Pinochet durante a campanha de 2017, na qual obteve apenas 8% dos votos. "Teríamos tomado chá juntos no palácio presidencial."

Na campanha deste ano, Kast enfatizou os valores familiares conservadores, atacou migrantes do Haiti e da Venezuela e criticou Boric, dizendo que ele era um fantoche dos comunistas chilenos.

Kast fez incursões junto aos eleitores da classe média preocupados que Boric -- um millennial ex-líder estudantil -- pudesse interromper três décadas de estabilidade econômica e política que fizeram do Chile a inveja de muitos na América Latina. Para ressaltar essas preocupações, Kast viajou na semana passada para Washington e se reuniu com investidores americanos, bem como com o senador Marco Rubio, o principal republicano no subcomitê que supervisiona as relações dos EUA com a América Latina.

Alguns de seus partidários mais radicais também lançaram uma campanha de terror online envolvendo um tweet falso do presidente venezuelano de esquerda Nicolás Maduro e falsas alegações de que migrantes estão ocupando cabines de votação, entre outras peças de desinformação.

As últimas pesquisas de opinião dão uma ligeira vantagem no segundo turno para Boric, que se voltou para o centro para obter o apoio dos eleitores temerosos de um retorno ao passado tumultuado do país.

Não está claro se Kast sabia do cartão de membro do NSDAP de seu pai. Carolina Araya, porta-voz da campanha de Kast, não quis comentar o caso, mesmo sendo questionada repetidamente pela Associated Press. Mas, no passado, Kast rejeitou com raiva as alegações de que seu pai era um apoiador do movimento nazista, descrevendo-o como um recruta forçado no exército alemão.

"Por que você usa o adjetivo nazista?", perguntou em uma aparição na TV em 2018, na qual disse estar orgulhoso de seu pai e acusou um proeminente jornalista chileno de tentar espalhar mentiras.

"Quando há uma guerra e a inscrição (militar) é obrigatória, um jovem de 17 ou 18 anos não tem a opção de dizer, 'eu não vou', porque eles serão submetidos à corte marcial e mortos a tiros no dia seguinte", disse ele mais tarde naquele ano em comentários postados em suas mídias sociais.

Não há evidências de que Kast teve um papel nas atrocidades do tempo de guerra, como a tentativa de exterminar os judeus da Europa. Mas, embora o serviço militar fosse obrigatório, a adesão ao partido nazista era voluntária.

Alguns alemães aderiram entusiasticamente ao partido, enquanto outros o fizeram acreditando que ele traria vantagens em uma sociedade onde se esperava que grande parte da vida pública se alinhasse à ideologia nazista. "Não temos um único exemplo de alguém que foi forçado a entrar no partido", disse Armin Nolzen, historiador alemão que pesquisou extensivamente a questão da filiação ao NSDAP.

Kast se juntou ao partido em 1942 cinco meses depois de completar 18 anos -- a idade mínima exigida para ser membro. Ele provavelmente foi membro da Juventude Hitlerista por pelo menos quatro anos antes de se juntar ao partido e teria sido recomendado pelo líder do distrito, disse Nolzen. Ao todo, o partido tinha 7,1 milhões de membros naquele ano -- cerca de um décimo da população.

Michael Buddrus, do Instituto Leibniz de História Contemporânea de Berlim, alertou contra superestimar a importância da filiação ao NSDAP para pessoas tão jovens, mas concordou que Kast deve ter ingressado por vontade própria.

Visto que Kast entrou para o exército logo depois, Buddrus disse que era possível que o adolescente nunca tivesse participado ativamente de uma reunião de festa ou pago taxas.

"Se você é um membro do partido, você é um membro do partido", disse Richard F. Wetzell, pesquisador do Instituto Histórico Alemão em Washington. "Ser um membro do partido o vincula ao partido e sua ideologia, embora muitos possam ter aderido por razões puramente oportunistas."

Guerra

Um livro de 2015 sobre os colaboradores civis de Pinochet, escrito pelo jornalista chileno Javier Rebolledo, afirmou que o Kast mais velho a princípio relutou em aderir ao Partido Nazista. Mas ele foi persuadido por um sargento a fazê-lo quando estava sendo enviado para a península da Criméia, diz Rebolledo, citando um livro de memórias da esposa de Kast.

A guerra na época foi dominada pela Batalha de Stalingrado, um ponto de inflexão para o ataque da Alemanha nazista à União Soviética, que resultou em cerca de 2 milhões de mortos e na rendição local das forças do Eixo alguns meses depois.

Quando a guerra estava terminando, Kast, então servindo na Itália, obteve uma identidade falsa indicando que ele era membro do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, de acordo com Rebolledo.

Depois de duas vezes escapar da prisão nas mãos das forças aliadas, ele retornou à Alemanha e foi descoberto durante o período de desnazificação do pós-guerra. Mas quando ele confessou seu engano, um simpático promotor ficou com pena e, em reconhecimento à sua honestidade, queimou seu registro no exército, de acordo com o livro de Rebolledo.

O jovem Kast acusou o jornalista chileno de tirar as memórias de sua mãe de contexto e distorcer os fatos para atribuir motivações sinistras às atividades de seu pai durante a guerra.

Qualquer que seja seu histórico, Kast migrou para o Chile em 1950, seguido um ano depois por sua esposa e dois filhos mais velhos, e se estabeleceu em Paine, uma comunidade rural ao sul da capital Santiago. Por fim, o casal construiu uma pequena empresa vendendo frios em um quiosque à beira da estrada em uma rede nacional de restaurantes e fabricantes de alimentos embalados.

Uma lei de 1995 aprovada pelo congresso do Chile concedendo ao Kast mais velho a cidadania destaca suas profundas raízes católicas e "grande espírito de justiça social" que se traduziu em sua função de ajudar a construir cinco capelas, hospitais e um centro juvenil, além de fornecer a funcionários para sua empresa, Cecinas Baviera, com possibilidade de compra de casa própria.

Mas havia um lado mais sombrio no sucesso do clã. Segundo Rebolledo, agitadores de esquerda e camponeses ameaçaram expropriar os negócios da família durante o governo socialista de Salvador Allende. No dia seguinte ao golpe de Pinochet contra Allende, a polícia em Paine agiu, fazendo desaparecer em plena luz do dia um jovem militante, Pedro Vargas, que vinha organizando trabalhadores na Baviera, enquanto esperava na fila para comprar pão.

Com o desaparecimento de Vargas, um membro de sua família angustiado pediu ajuda a Michael Kast.

"Achei que ele fosse ajudar", disse a pessoa à AP sob a condição de anonimato, por medo de retaliação, quase cinco décadas depois. "Mas ele me disse para ir para casa, que havia uma guerra acontecendo e era uma questão de vida ou morte. Eu não pude acreditar."

Hoje, a poucos quilômetros de onde mora o aspirante a presidente, símbolos das paixões que encheram a vida encurtada de Vargas -- um livro, uma balança de justiça, uma foto de seu cachorro -- decoram um dos 70 mosaicos em homenagem a cada uma das vítimas roubadas da bucólica cidade que tem a distinção de ter sofrido o maior número de desaparecimentos per capita em todo o Chile.

Escrito por:

AP