Publicado 17 de Dezembro de 2021 - 13h04

Por Redação

Pelo menos 53 migrantes morreram e mais de 40 ficaram feridos nesta quinta-feira, 9, quando um caminhão que os transportava ilegalmente pelo sul do México capotou. As pessoas estavam cruzando o país na tentativa de entrar ilegalmente nos Estados Unidos. Em nota, o Ministério Público Federal do México afirma que três dos feridos estavam em estado grave. O diretor de Proteção Civil do Estado de Chiapas, Luis Manuel García Moreno, informou que 40 dos feridos foram transferidos para diversos hospitais.

O responsável indicou que 107 pessoas viajavam no veículo, mas os primeiros socorristas que chegaram ao local afirmaram que devia haver mais, porque vários até fugiram mesmo feridos, com medo de serem detidos por agentes da imigração. Segundo os sobreviventes, a maioria dos migrantes era de guatemaltecos, mas havia hondurenhos e pessoas de outras nacionalidades.

O acidente ocorreu por volta das 15h30 (17h30, horário de Brasília), quando o caminhão-baú, que aparentemente estava em alta velocidade, capotou em uma curva e atingiu a base de uma passarela em uma área próxima à capital da região de Chiapas, Tuxtla Gutiérrez. Com isso, a carreta que transportava passageiros se desprendeu e as vítimas se espalharam pela estrada.

De acordo com a mídia mexicana, o motorista do caminhão fugiu após o acidente, que ocorreu na rodovia Panamericana. O veículo vinha do município de Comitán, na fronteira com a Guatemala. Bombeiros, agentes da Proteção Civil e da Cruz Vermelha se dirigiram ao local para fazer resgates. Moradores e motoristas que passavam pela estrada cederam seus veículos para levar os feridos aos hospitais.

"Estou um tanto inconsciente '', afirmou o guatemalteco Celso Pacheco, tentando se recuperar do choque e, enquanto ao seu redor, pessoas corriam com feridos em macas. Pacheco afirmou que havia cerca de uma dúzia de crianças no caminhão. Vários corpos de migrantes foram espalhados no asfalto enquanto muitos outros estavam dentro da carreta toMbada, onde alguns sobreviventes se desesperaram entre os cadáveres.

Um dos primeiros paramédicos que atendeu as vítimas e que, como outros socorristas, pediu para não ser identificado por não estar autorizado a fazer declarações públicas, indicou que vários migrantes buscaram refúgio nos bairros próximos, ensanguentados ou machucados.

O diretor de Proteção Civil destacou que, de acordo com os depoimentos dos sobreviventes, o veículo veio de Comitán de Domínguez, município fronteiriço com a Guatemala. É uma rota comum para o contrabando ilegal de migrantes, que são colocados amontoados em caixas de caminhões e, assim, atravessam grande parte do México. (Com agências internacionais).

Escrito por:

Redação