Publicado 25 de Novembro de 2021 - 21h36

Por Paulo Favero

Em uma cerimônia online nesta quinta-feira, 25, foram anunciados os vencedores do Prêmio Jabuti 2021. A 63ª edição da principal distinção literária do Brasil coroou Sagatrissuinorana, de João Luiz Guimarães e Nelson Cruz, anunciado como Livro do Ano pela Câmara Brasileira do Livro em um evento apresentado por Dan Stulbach e que teve uma bonita homenagem ao escritor Ignácio de Loyola Brandão, que foi homenageado como Personalidade Literária do ano.

"Em 56 anos de carreira, recebi cinco Jabutis, um por década. Então espero ainda conquistar mais um. Quando o livro é lido, a alegria é imensurável. E quando vem um prêmio, a alegria é muito maior. Jamais imaginei que pudesse ser a Personalidade do Ano nesta edição. Estou muito emocionado", afirmou Loyola Brandão, que ainda revelou que um dos momentos marcantes de sua carreira foi quando foi convidado pelo Estadão para ser cronista no lugar que Raquel de Queiroz escrevia. "Ocupar o lugar de uma mulher como a Raquel foi muita emoção", continuou o colunista do Estadão.

Logo depois da emocionante homenagem, Ignácio Loyola Brandão anunciou Sagatrissuinorana como o grande vencedor da noite. Os dois autores entraram ao vivo para falar sobre a honraria. "Ganhar esse prêmio no ano que o Ignácio é homenageado é algo incrível. É um dos melhores dias da minha vida", disse João Luiz Guimarães. "Estamos tocando as gerações do futuro, falando da importância do meio ambiente", continuou. Nelson Cruz lembrou que o livro é dedicado às vítimas da tragédia de Mariana e Brumadinho.

A obra também ganhou na categoria Infantil. O Avesso da Pele, de Jeferson Tenório, ganhou em Romance Literário. Já Corpos Secos, de Luisa Geisler, Marcelo Ferroni, Natalia Borges Polesso e Samir Machado de Machado conquistou o prêmio de Romance de Entretenimento. Ainda no Eixo Literatura, Flor de Gume, de Monique Malcher, ganhou como melhor Conto. Já em Crônica a escolha ficou com Histórias ao Redor, de Flávio Carneiro.

No quesito Histórias em Quadrinhos o título ficou com META: Depto. de Crimes Metalinguísticos, de André Freitas, Dayvison Manes, Marcelo Saravá e Omar Viñole. A melhor obra Infantil foi Sagatrissuinorana, de João Luiz Guimarães e Nelson Cruz, enquanto na categoria Juvenil o prêmio foi para Amigas que se Encontraram na História, de Angélica Kalil e Amma. Já em Poesia a escolha foi de Batendo Pasto, de Maria Lúcia Alvim.

Escrito por:

Paulo Favero