Publicado 22 de Novembro de 2021 - 20h17

Por Bárbara Nascimento e Idiana Tomazelli

O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, disse nesta segunda-feira, 22, que, após o desconto de todas as despesas que seriam encaixadas no espaço aberto pela PEC dos Precatórios no teto de gastos, sobraria R$ 1,1 bilhão para um possível auxílio-diesel aos caminhoneiros.

Colnago afirmou que o governo tem um conjunto de quase R$ 50 bilhões em despesas inadiáveis que seriam alocadas no teto, além do Auxílio Brasil e de R$ 5,3 bilhões pela desoneração da folha de pagamentos.

"No final, retirando essas coisas todas e considerando os R$ 106,1 bilhões (de folga), você tem folga de R$ 1,1 bilhão", disse. Ele ponderou, contudo, que há ainda espaço para discussão dentro das despesas discricionárias. "Tem R$ 98 bilhões que ainda podem acomodar os desejos da sociedade. Isso vai ser discutido no Congresso", afirmou.

Escrito por:

Bárbara Nascimento e Idiana Tomazelli