Publicado 22 de Novembro de 2021 - 17h22

Por Idiana Tomazelli e Bárbara Nascimento

O governo prevê encerrar o ano com uma dívida bruta de 81,7% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo estimativa do Ministério da Economia. O aumento na arrecadação deve contribuir para o ano fechar com um déficit inferior a R$ 100 bilhões.

Caso a PEC dos Precatórios seja aprovada, no entanto, a dívida se encerraria em patamar levemente superior, de 81,9% do PIB. A proposta abre espaço no teto de gastos, regra que limita o avanço das despesas à inflação, e autoriza um gasto adicional de R$ 15 bilhões em 2021.

Para 2022, o governo prevê que a dívida bruta caia a 80,5% do PIB no cenário atual, sem PEC. Com a aprovação da proposta, a tendência é a dívida ficar em 81,7% do PIB no ano que vem.

Escrito por:

Idiana Tomazelli e Bárbara Nascimento