Publicado 16 de Novembro de 2021 - 21h30

Por especial para o Estadão

Por Lailton Costa

Nem a condenação da 4ª Vara Federal Criminal do Tocantins por peculato, em junho deste ano, nem a denúncia da Procuradoria da República (PGR) por corrupção ativa no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em outubro, contra o presidente da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins (OAB-TO) abalaram a confiança da advocacia tocantinense em Gedeon Batista Pitaluga Júnior, reeleito nesta terça-feira, 16, para mais três anos à frente da entidade.

O advogado, de 41 anos, conquistou 1.797 votos - 49,50% - entre os 3.630 advogados que compareceram às urnas em 16 locais de votação. Em 2018, em sua primeira eleição, Pitaluga Júnior teve 1.267 (36,58%) do total, 62 votos a mais que o segundo colocado, Célio Henrique Magalhães Rocha. A chapa vitoriosa, 'OAB Independente', tem como vice-presidente Priscila Madruga Ribeiro Gonçalves e secretária-geral Jandra Pereira de Paula.

"Agradeço a todos aqueles que acreditaram no projeto que apresentamos nesta eleição, que foi feita de forma limpa e leal. Vamos continuar com uma gestão cada vez mais próxima da advocacia, atuando de maneira independente e intransigente em defesa da classe", afirmou Gedeon Pitaluga ao Estadão após o resultado.

A segunda colocada, a advogada Ester Nogueira, única mulher na disputa na cabeça da chapa com Rita Rocha, de vice, conseguiu 1.370 votos (37.74%). O terceiro candidato, Leonardo Meneses Maciel, obteve 463 votos (12,75%).

Escrito por:

especial para o Estadão Lailton Costa