Publicado 16 de Novembro de 2021 - 21h26

Por Gustavo Queiroz

Servidores municipais entraram em confronto com a polícia nos arredores da Câmara Municipal de São Paulo na tarde desta quarta-feira, 10, próximo ao início das votações da reforma da Previdência do município, proposta pelo prefeito Ricardo Nunes.

Segundo presentes, alguns manifestantes jogaram ovos e tentaram forçar a entrada na Câmara. Imagens de televisão mostram que os policiais usaram gás lacrimogêneo, bala de borracha e bombas para conter os manifestantes. Esta é a nona manifestação organizada pelos servidores desde setembro, quando a proposta foi enviada à Câmara pelo prefeito.

A confusão se refletiu dentro da Casa, quando vereadores favoráveis ao projeto começaram a discutir com a oposição em meio aos protestos do lado de fora. Após a ação da Guarda Civil Metropolitana, parte dos manifestantes deixaram o local. Uma tentativa de postergar a votação chegou a ser votada, mas os partidos favoráveis formaram maioria para manter a votação ainda hoje. Neste momento, a reforma segue sendo discutida na Câmara.

Os servidores são contrários à votação em segundo turno de uma proposta que altera as regras da previdência social para servidores municipais. Em primeiro turno, a proposta foi aprovada pelo quórum mínimo. Entre as principais mudanças está a cobrança de uma alíquota de 14% em valores pagos aos aposentados. Também se propõe uma idade mínima e um maior tempo de contribuição para a aposentadoria.

Outro ponto que provocou a manifestação dos servidores é a criação de uma previdência complementar, que acrescenta uma nova alíquota de contribuição para quem desejar receber acima do teto.

Escrito por:

Gustavo Queiroz