Publicado 13 de Outubro de 2021 - 15h37

Por Manila

O filho e homônimo do ditador Ferdinand Marcos anunciou formalmente, nesta terça-feira, 5, seu plano de concorrer para presidente das Filipinas, mais de três décadas depois que um levante popular derrubou o regime brutal de seu pai e restaurou a democracia no país.

Ferdinand Marcos Jr. se junta ao ex-campeão de boxe Manny Pacquiao e Francisco Domagoso, prefeito de Manila, na busca pela presidência na eleição do próximo ano. Leni Robredo, o vice-presidente, e Sara Duterte-Carpio, a prefeita de Davao City e filha do presidente Rodrigo Duterte, também devem entrar na corrida.

Marcos, de 64 anos, já foi governador e senador. Ele perdeu sua candidatura como vice-presidente para Robredo em 2016 e tentou anular a votação, alegando que houve fraude. Em seu anúncio nesta terça-feira, Marcos disse que se concentraria em ajudar a população a superar a pandemia do coronavírus e prometeu tirar a economia da crise.

"É por isso que estou anunciando aqui, hoje, minha intenção de concorrer à presidência das Filipinas nas próximas eleições de maio de 2022", disse Marcos. "Vou trazer essa forma de liderança unificadora de volta ao nosso país. Junte-se a mim nesta mais nobre das causas e teremos sucesso."

Ele também prestou juramento como membro do Partido Federal ng Pilipinas (PFP), o partido político que ele representará na eleição. O partido fundado por seu pai, o Movimento da Nova Sociedade, recentemente o endossou como candidato.

Ferdinand Marcos governou o país com mão de ferro por duas décadas. Ele foi derrotado por um levante popular em 1986 e foi para o exílio no Havaí, onde morreu três anos depois. Ele foi acusado de roubar até US$ 10 bilhões dos cofres do Estado e deixar milhares de ativistas mortos ou desaparecidos.

Sua viúva, Imelda R. Marcos, e os filhos foram posteriormente autorizados a regressar às Filipinas, onde trabalharam para reabilitar o nome da família. Ela nega repetidamente as alegações de que saqueou a riqueza do Estado.

A família Marcos está entre as dinastias mais famosas do país e, apesar de ter caído em desgraça, manteve conexões políticas poderosas e de longo alcance. A irmã de Marcos Jr é senadora e ex-governadora e sua mãe, Imelda, de 92 anos, famosa por sua vasta coleção de sapatos, foi deputada por quatro mandatos. Ela foi considerada culpada de corrupção em 2018, mas escapou de ser presa.

Um parente é o atual embaixador nos Estados Unidos, outro, é um legislador de alto nível.

Uma corrida presidencial seria um grande passo em um país de 110 milhões de habitantes, onde muitos ainda são assombrados por abusos que aconteceram durante a lei marcial de Marcos, um dos capítulos mais sombrios da história moderna das Filipinas.

Duterte, que anunciou sua aposentadoria na semana passada, muitas vezes agradeceu publicamente à família Marcos por apoiar sua candidatura nas eleições presidenciais de 2016. Após alguns meses no cargo, ele permitiu que os restos mortais do ditador fossem transferidos para um cemitério nacional em Manila.

Judy Taguiwalo, ativista da Campanha Contra o Retorno dos Marcos e a Lei Marcial, disse que o anúncio de Marcos foi uma "demonstração descarada de desrespeito e desprezo pelos milhares de filipinos mortos, desaparecidos, torturados, deslocados e violados" durante a regime brutal.

"Bongbong Marcos e sua família há muito buscam reivindicar o lugar mais alto do poder depois que foram expulsos do país pelo povo", disse ela, referindo-se a Marcos pelo apelido. "hoje, sua ousadia desavergonhada de querer voltar ao mais alto cargo do governo está em plena exibição. Marcos está cuspindo nas sepulturas dos mortos", disse ela. (Com agências internacionais)

Escrito por:

Manila