Publicado 11 de Outubro de 2021 - 20h46

Por Estadão Conteúdo

Malik Scott, treinador-chefe de Deontay Wilder, disse que seu boxeador não está planejando se aposentar após a derrota de sábado para Tyson Fury, na T-Mobile Arena, em Las Vegas. Wilder perdeu por nocaute no round 11 depois de sofrer três "knockdowns" durante a luta e levar o rival duas vezes à lona.

Wilder perdeu duas vezes consecutivas para Fury e levou enorme castigo nas derrotas, caindo um total de cinco vezes entre as duas últimas lutas. Scott, porém, indica que provavelmente veremos 'Bronze Bomber' de volta ao ringue.

"Deontay deixou sua família financeiramente segura para que ele não tenha que lutar para ganhar a vida", disse Scott à IFL TV. "Mas se aposentar não está em seus planos e não é algo que tenhamos discutido." O treinador também deixou claro que não tem medo de perder o emprego. Após a revanche de fevereiro de 2020 com o Fury, Wilder demitiu o co-treinador Mark Breland por jogar a toalha no sétimo round.

"Ao longo dos anos em que conheço Deontay, ele sempre disse que jogar a toalha com um nocauteador como ele não seria tolerado. É algo que respeitei. A última queda no sábado foi a pior e o árbitro encerrou a luta", Scott disse, referindo-se à derrota de sábado. "Deontay e Mark nunca tiveram um relacionamento fora da academia, eles nunca se falaram por mais de cinco minutos em um telefonema. Eu e Deontay nunca cairíamos e não nos falaríamos novamente - nosso vínculo é muito forte".

Wilder não voltará em uma pequena luta, afirmou Scott. Ele quer ver o seu boxeador de volta aos holofotes como o evento principal de um card de alto nível. "Ele vai voltar da forma que quiser", disse Scott. "Ele é um grande lutador e ele não pertence lá com os outros caras, ele precisa estar em lutas de alto nível e eventos principais".

Após a luta de sábado, Wilder foi levado a um hospital, quando foram detectadas três fraturas.

Escrito por:

Estadão Conteúdo