Publicado 11 de Outubro de 2021 - 20h23

Por Associated Press

Centenas de líderes mundiais, políticos poderosos, milionários, celebridades, líderes religiosos e narcotraficantes têm ocultado investimentos em mansões, propriedades exclusivas em praias, iates e outros ativos, durante os últimos 25 anos, segundo uma revisão de quase 12 milhões de arquivos obtidos a partir de 14 companhias distintas em todo o mundo. No informe publicado neste domingo, 3, pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação participaram 600 jornalistas de 150 meios de comunicação em 117 países.

O informe é chamado "Pandora Papers" pois sua descoberta lança luz sobre os acordos previamente ocultos da elite e também sobre corruptos, e como utilizaram contas no exterior para proteger ativos que no conjunto valem bilhões de dólares.

Entre os mais de 330 políticos no cargo e aposentados identificados como beneficiários das contas secretas estão o rei da Jordânia, Abdullah II, o ex-premiê britânico Tony Blair, o primeiro-ministro da Checoslováquia, Andrej Babis, o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, o do Equador, Guillermo Lasso, e sócios do primeiro-ministro paquistanês Imran Khan e do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Os milionários identificados no relatório incluem o magnata turco da construção Erman Ilicak e Robert T. Brockman, ex-diretor geral da fabricante de softwares Reynolds & Reynolds.

Muitas das contas foram desenhadas para sonegar impostos e ocultar ativos por outras razões suspeitas, segundo o informe.

Os Pandora Papers são um projeto precedido por outro similar, publicado em 2016, os Panama Papers, do mesmo grupo jornalístico.

Escrito por:

Associated Press