Publicado 09 de Outubro de 2021 - 14h45

Por Estadão Conteúdo

A atitude do atleta rendeu uma prisão em flagrante e a possibilidade de condenação por homicídio qualificado, quando se tem a intenção de matar

Divulgação

A atitude do atleta rendeu uma prisão em flagrante e a possibilidade de condenação por homicídio qualificado, quando se tem a intenção de matar

Em resposta à agressão sofrida pelo juiz Rodrigo Crivellaro, os árbitros que apitarão as partidas deste final de semana das competições organizadas pela CBF vão realizar um protesto antes dos jogos começarem. Na última segunda-feira, Rodrigo foi hospitalizado depois de levar um chute na região da cabeça desferido pelo jogador Willian Ribeiro, durante uma partida realizada pela segunda divisão do Campeonato Gaúcho.

Em comunicado assinado pelo presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, a categoria informou que, em sinal de apoio à Crivellaro e repúdio ao agressor, a classe de árbitros vai seguir um protocolo de protestos antes do início dos confrontos, que inclui a realização de um minuto de silêncio, e o pedido para os árbitros centrais, além de quartos e quintos árbitros e assistentes, se ajoelharem no gramado.

Ainda segundo a nota, a medida, que será repassada para os capitães de ambas as equipes, teve "total apoio do presidente da CBF".

"Todos nós ficamos completamente chocados e estarrecidos com as imagens que correram o mundo de nosso colega Rodrigo Crivellaro sendo covarde e incompreensivelmente agredido num jogo de futebol. Como sinal de apoio à ele, repúdio ao agressor e alerta a sociedade, acreditamos que precisamos mostrar que não há mais espaço no futebol brasileiro para cenas deprimentes como estas", afirmou o comunicado oficial.

O CASO - O caso aconteceu na última segunda-feira na partida entre Guarani e São Paulo, válida pela segunda divisão do Campeonato Gaúcho e apitada pelo árbitro Rodrigo Crivellaro. Aos 15 minutos do segundo tempo, o jogador Willian Ribeiro recebeu um cartão amarelo por reclamação. Irritado, o jogador do São Paulo deu um soco em Crivellaro, que o derrubou no chão. Em seguida, Willian continuou a agredir o árbitro, acertando um chute na nuca.

Ao verem o juiz desacordado, os jogadores de Guarani e São Paulo chamaram com urgência o médico e a ambulância. Willian foi levado ao vestiário e cerca de 30 minutos depois foi conduzido pela polícia à delegacia de Venâncio Aires (RS).

Depois de realizar exames em Santa Maria (RS), cidade do interior do estado, Rodrigo Crivellaro constatou que teve uma lesão ligamentar na vértebra C6, e por isso, vai precisar se afastar dos gramados por três meses, além de usar um colete cervical e fazer exames periódicos de raio X. Não se sabe, ainda, se o árbitro vai precisar passar por um procedimento cirúrgico.

"Acabei de ir ao médico, fiz uma ressonância, estou com uma lesão na C6 ali na cervical, na vértebra 6, uma lesão ligamentar. Vou ter de usar esse colar durante 90 dias, em casa, sem trabalhar. Se por acaso ocorrer um deslizamento das vértebras, vou ter de fazer cirurgia. Espero que não, mas se tiver de fazer vai ser bem simples, segundo os médicos", afirmou o árbitro em entrevista à TV Globo, na última quinta-feira.

Confira, na íntegra, o texto da Comissão de Arbitragem:

"Todos nós ficamos completamente chocados e estarrecidos com as imagens que correram o mundo de nosso colega Rodrigo Crivellaro sendo covarde e incompreensivelmente agredido num jogo de futebol.

Como sinal de apoio à ele, repúdio ao agressor e alerta a sociedade acreditamos que precisamos mostrar que não há mais espaço no futebol brasileiro para cenas deprimentes como estas.

Com apoio total do presidente da CBF estamos nos juntando ao protesto que será realizado no RS. Em todos os jogos desta rodada em competições coordenadas pela CBF mostraremos a união de nossa classe marcando posicionamento firme em todos os gramados brasileiros.

Seguiremos o protocolo sugerido:

1. Antes do minuto de silêncio os capitães serão avisados do protesto.

2. Logo após o minuto de silêncio centrais, quartos e quintos árbitros ficarão de joelhos conforme ilustração anexa. Assistentes fazem o mesmo com suas bandeiras e equipes de vídeo refletem na cabine a mesma ação.

3. Centrais lançarão em súmula o seguinte texto: Durante o minuto de silêncio, em nome da paz no futebol, a equipe de arbitragem realizou protesto contra a agressão sofrida pelo árbitro Rodrigo Crivellato.

Somos uma família!

Somos unidos e fortes!

Com meu respeito a CORAGEM e DEDICAÇÃO das senhoras e senhores

Leonardo Gaciba - Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF"

Escrito por:

Estadão Conteúdo