Publicado 09 de Outubro de 2021 - 7h35

Por Estadão Conteúdo

Fortaleza e Flamengo vão entrar em campo no Castelão, neste sábado, às 19 horas, sabendo do resultado de Atlético-MG e Ceará. Independentemente do que ocorrerá no Mineirão, as duas equipes, que somam 39 pontos cada, terão de lutar muito pelos três pontos para não perderem contato com o líder do Campeonato Brasileiro.

O duelo na capital cearense também chama a atenção pelo confronto entre dois dos técnicos mais badalados da competição: Renato Gaúcho e Juan Pablo Vojvoda.

Renato, que tem tido dificuldades para escalar o seu time titular terá o retorno importante do goleiro Diego Alves e do lateral-esquerdo Filipe Luis. O primeiro apresentou sintomas de gripe, mas se recuperou, enquanto o segundo foi poupado em Bragança Paulista por causa de desgaste físico.

O treinador do Flamengo não vai anunciar a escalação do time antes do início da partida, mas existe a possibilidade de Michael entrar em substituição de Thiago Maia e o time se tornar, teoricamente, mais ofensivo.

Apesar de ter os mesmos 39 pontos do Fortaleza, o Flamengo disputou três partidas a menos (21 a 24). Com relação ao Atlético, o time carioca tem duas partidas a mais para disputar no campeonato.

FORTALEZA EMPOLGADO - Embalado pela vitória sobre o Fluminense, por 2 a 0, no Maracanã, o Fortaleza espera levar a melhor sobre o Flamengo no confronto direto pela vice-liderança. Na terceira colocação, com os mesmos 39 pontos dos cariocas, segundo colocados, o time cearense quer voltar a somar bons resultados em casa, onde tem apenas uma vitória nos últimos cinco jogos.

O único desfalque em relação a última rodada é o zagueiro Marcelo Benevenuto, um dos principais jogadores da temporada. Emprestado pelo Botafogo e com quatro gols em 31 jogos, o defensor recebeu o terceiro amarelo e dá lugar para Jackson. Mas o esquema segue armado com três zagueiros.

Após a vitória sobre o Fluminense, o técnico Juan Pablo Vojvoda deixou no ar a possibilidade de fazer algumas mudanças no time por conta da maratona de jogos.

"O time vai jogar a cada três dias. Nem sempre se pode estar 100%. Entendemos que seja assim, mas os jogadores não são máquinas, são pessoas", comentou o treinador.

Escrito por:

Estadão Conteúdo