Publicado 13 de Setembro de 2021 - 17h02

Por especial para o Estadão

Por Paula Felix; colaborou Ricardo Araújo

Mesmo com o avanço da vacinação, a covid-19 ainda impacta o andamento das cirurgias eletivas no País. Segundo um levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM), os procedimentos tiveram queda de 25,9% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2019, no pré-pandemia.

O pico de infecções, o medo da população e dificuldade para atender a demanda reprimida estão entre os motivos para o problema. Mutirões e pagamentos extras estão entre as estratégias adotadas por Estados e município, como a capital paulista, para tentar reduzir as filas.

Os dados, do Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde (SIA-SUS), mostram que 4.186.892 procedimentos foram realizados nos primeiros seis meses de 2019. Neste ano, foram 3.099.006.

A queda preocupa integrantes do conselho, que alertam para o risco de agravamento de doenças crônicas, até porque a redução também foi notada nas demais etapas do atendimento, como consultas e exames. O levantamento apontou que o direcionamento de leitos para covid e a restrição de acesso aos hospitais resultaram em uma queda de 27 milhões no número desses procedimentos.

"Com uma doença desconhecida altamente contagiosa, houve o temor da população, que deixou de procurar os serviços médicos ficando em casa, mas isso tem um preço, que foi atrasar alguns diagnósticos, principalmente nas áreas de câncer e cardiovascular. Algumas cirurgias eletivas podem ser adiadas por um tempo, como as estéticas, de hérnia, de varizes. Outras não são assim", explica Donizetti Giamberardino, primeiro vice-presidente do CFM.

Na avaliação dele, será necessário um processo de organização para evitar que o quadro se agrave no próximo ano. "Existe a necessidade de o governo se organizar para, em 2022, ver se consegue retomar isso. O que precisamos é que todos os gestores de saúde que têm se empenhado na pandemia se dediquem às outras patologias que não covid. Não pode mais, após um ano e meio, deixar que outras doenças sejam esquecidas."

Um dos exemplos de fila dado pela entidade foi a de cirurgias cardiovasculares, que contabiliza cerca de 60 mil pacientes aguardando por uma operação, de acordo com dados levantados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV).

Outro ponto de preocupação do CFM é com o controle da pandemia e o impacto das variantes. E em como isso poderá continuar interferindo nos atendimentos eletivos e também na saúde dos pacientes com doenças crônicas.

"Se olharmos o cenário atual, podemos vislumbrar que, com a vacinação, podemos ter estabilidade, mas ainda temos um número razoável de pessoas a serem vacinadas. Esse porcentual não vacinado, se infectado pela nova variante, teremos de ver como vai ser a resposta epidemiológica", diz o coordenador do trabalho Hideraldo Cabeça, primeiro secretário do CFM e diretor de comunicação, tecnologia e informação do órgão.

Agravamento

No Rio Grande do Norte, uma das pessoas que estão à espera da retomada dos procedimentos é a dona de casa Ingrid Alcântara. Ela é mãe de Itallo Henrique Tomaz de Lima, de 6 anos. A criança, que tem microcefalia, necessita de duas cirurgias ortopédicas, sendo uma no pé e outra no quadril. Pela intervenção no quadril, ele aguarda há dois anos.

"Já passei por três ortopedistas. Os médicos dizem que não estão fazendo a cirurgia do quadril e é preciso esperar", lamenta. Conforme detalhado por Ingrid, com o passar do tempo o problema de seu filho piorou. O Estado afirmou ao ser questionado que um acordo deverá ser firmado entre a pasta e cooperativas médicas para que as cirurgias eletivas sejam retomadas nos próximos dias.

O Ministério da Saúde informou, em nota, que a definição dos critérios para a realização de procedimentos eletivos compete aos Estados e municípios e que tem oferecido apoio aos gestores do SUS. "A pasta disponibilizou R$ 350 milhões de recursos extras, que são repassados após a comprovação da realização dos procedimentos. Até julho foram repassados aproximadamente R$ 14,6 milhões aos Estados", declarou, citando 15 Estados beneficiados pelos pagamentos.

3 perguntas para Ana Maria Malik, coordenadora do FGV Saúde

1.Quais fatores levaram à queda dos procedimentos eletivos no SUS?

No caso do SUS, os leitos são muito utilizados por meio da regulação. Então, os leitos são demandados e a regulação aloca os pacientes de acordo com a necessidade e disponibilidade. Quando os leitos estão sendo utilizados para uma coisa, não são usados para outra. Além disso, tem muita gente que está com medo de utilizar os serviços e, quando não é urgente, as pessoas acabam preferindo deixar para outra hora.

2.O que é possível fazer?

Não adianta abrir mais leitos neste momento. O leito aberto é caro e o ocioso é mais caro ainda. A pessoa não precisa ficar no sistema de pacientes agudos. Existem países, como Portugal e Inglaterra, que têm os hospitais de transição. Já há diversos no setor privado, mas, no âmbito do SUS, ainda está tendo uma tentativa para transformar a nossa grande quantidade de hospitais de pequeno porte para que eles possam fazer isso.

3.Os mutirões são a melhor solução para o quadro atual?

O mutirão é uma estratégia que, para uma situação bem aguda, funciona. Quando tem fila de catarata ou outro tipo de procedimento que pode ser feito porque é relativamente simples. Consegue dar vazão e resolve a fila. Em outros, é melhor não fazer, porque os procedimentos são menos simples e o pós-cirúrgico pode ser complicado. A demanda reprimida, na verdade, é difícil de lidar porque, com muita frequência, sabe-se apenas de uma pequena parte.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Escrito por:

especial para o Estadão Paula Felix; colaborou Ricardo Araújo