Publicado 11 de Setembro de 2021 - 5h52

Por Estadão Conteúdo

Reagir no Campeonato Brasileiro. Este é o objetivo tanto de América-MG, quanto de Athletico-PR no jogo que marca a abertura do returno da Série A do Campeonato Brasileiro neste sábado, às 16 horas, na Arena Independência.

O América está na zona de rebaixamento, na 17ª posição, com 18 pontos e vem de vitória sobre o Ceará por 2 a 0. O time mineiro fez um primeiro turno inconstante, com troca de técnico - saiu Lisca e entrou Vagner Mancini ainda na sexta rodada - e vai objetivar no segundo turno escapar do rebaixamento. "A nossa tarefa começa neste jogo em casa", aponta Mancini.

O Athletico-PR começou a competição brigando pela liderança, mas a partir do meio da competição houve uma queda de produção. Oscilando na temporada, o time paranaense não vence há seis jogos no Brasileirão e caiu para a nona colocação, com 24 pontos. No meio da semana, foi derrotado pelo FC Cascavel na semifinal do Campeonato Paranaense e viu seu técnico, o português Antônio Oliveira, ser demitido.

Bruno Lazaroni, filho do ex-técnico da seleção brasileira, Sebastião Lazaroni, será o técnico interino, com Paulo Autuori e Lucho González como "auxiliares".

Para buscar sair do rebaixamento, o América terá novidades. Principal contratação para a Série A, o atacante argentino Mauro Zárate vai estrear. "Vou dar o meu máximo dentro de campo para que o América siga na Série A", garantiu o experiente jogador, que irá atuar com a camisa 99.

Após se recuperar de lesão muscular na coxa direita, o volante Ramon vai estar disponível. Ele disputa vaga no meio com Lucas Kal. No time paranaense, a baixa é o meia Nikão, suspenso pelo terceiro amarelo. Jader é o favorito para substituí-lo.

O goleiro Santos e o meia David Terans, que estavam com as seleções brasileira e uruguaia, respectivamente, foram avaliados pelo departamento fisiológico e estão confirmados.

O Athletico regularizou o lateral-esquerdo Pedrinho, ex-Vitória, no BID (Boletim Informativo Diário). O jogador de 19 anos, que assinou um contrato de cinco anos, fica como opção.

Escrito por:

Estadão Conteúdo