Publicado 09 de Setembro de 2021 - 9h01

Por Paulo Favero

Orgulho de Baía Formosa, cidade litorânea do Rio Grande do Norte, Italo Ferreira lançou nesta quarta-feira um documentário sobre sua trajetória de sucesso em cima da prancha. O garoto que começou a surfar com tampas de isopor que seu pai usava para guardar os peixes que pescava agora é campeão mundial e olímpico.

"Italo é intenso, talvez seja por isso que ele e o mar se dão tão bem juntos. É uma energia que flui", começa 'A Curiosa História de Italo Ferreira', documentário de 49 minutos, que é narrado por Marcelo Buxexa, amigo de infância do surfista, e relata as façanhas do atleta pela visão das pessoas que sempre conviveram com ele. A produção é da O2 Filmes, com direção de Luiza de Moraes. O filme pode ser assistido gratuitamente neste link.

A cidade onde Italo cresceu e vive até hoje ganhou fama por causa de seu filho ilustre. É lá que ele sempre volta após suas competições para recarregar as energias e onde vai construir um instituto para devolver um pouco de tudo que recebeu para a comunidade. "Fiquei muito feliz de ver o documentário, o resultado final ficou incrível", disse o atleta.

O surfista, com suas manobras ousadas, mudou seu futuro numa pequena cidade onde a maioria das pessoas vai trabalhar na prefeitura, na usina ou com peixe. O vídeo faz até uma brincadeira lembrando que "50 pessoas falam que ensinaram Italo a surfar", reforçando a tese bem-humorada da história de pescador que poucos acreditam.

O lançamento do documentário ocorre na véspera de Italo entrar para mais uma decisão. Ele disputa o Rip Curl WSL Finals, que definirá o campeão mundial de surfe na temporada. O brasileiro luta pelo bicampeonato, mas para isso terá de superar Gabriel Medina e mais um adversário, que pode ser Filipe Toledo.

"São os dois melhores surfistas da atualidade, sempre puxam o nível e são caras que me inspiram. Mas a amizade fica do lado de fora. Na hora da bateria é uma outra história, treinei bastante para estar bem nesse período. A gente viu na previsão que vai ter altas ondas, então não terá sorte, vai precisar de alta performance. Estou na disputa", avisou.

Para ele, o documentário serve de inspiração para chegar ainda mais longe na carreira. "Tudo isso passa, o que fica é o que realmente vocês assistiram, nossa história e amizade. Tenho desejos e sonhos, continuo buscando. É irado ser campeão do mundo, campeão olímpico, são coisas que mudam a vida. Esses desafios são meu combustível, por isso sempre tento fazer o melhor. Sei o que trabalhei para chegar até aqui e tenho orgulho de tudo isso", diz Italo, que gosta do jeito que seu filme encerra. "Continuo sendo um moleque cheio de sonhos."

Escrito por:

Paulo Favero