Publicado 21 de Agosto de 2021 - 7h49

Por Estadão Conteúdo

A expectativa de Grêmio e Bahia antes do início do Brasileirão com certeza era outra. Mas, neste sábado, a partir das 19 horas, na Arena do Grêmio, os dois tricolores fazem um confronto direto na luta contra o rebaixamento. A partida é válida pela 17.ª rodada.

Ainda que tenha um jogo a menos que os demais, o Grêmio faz uma campanha decepcionante até aqui. Com apenas 13 pontos, é o penúltimo colocado. O Bahia está um pouco melhor na classificação (13.º, com 18), mas a fase não é nada boa. São cinco derrotas e um empate nos últimos seis jogos.

Mesmo tendo um jogo importante na próxima quarta-feira, contra o Flamengo, pelas quartas de final da Copa do Brasil, o Grêmio vai entrar em campo com o que tem de melhor. O técnico Luiz Felipe Scolari deixou claro qual é a prioridade.

"Única prioridade é o Brasileiro. Não deixamos de pensar na Copa do Brasil. Mas, neste momento, estamos numa situação bem, bem difícil no Brasileiro. Temos que concentrar forças, ideias e situações de jogos diferentes na Série A", afirmou Felipão.

Em relação ao time que ganhou do Cuiabá, por 1 a 0, na última quarta-feira, o treinador deve fazer inúmeras mudanças. O lateral-direito Vanderson e o volante Thiago Santos receberam o terceiro cartão amarelo, enquanto o também volante Maicon e o atacante Alisson se lesionaram.

Por outro lado, Felipão tem o retorno da dupla de zaga titular. Pedro Geromel cumpriu suspensão automática diante do Cuiabá, enquanto Kannemann se recuperou de dores no joelho esquerdo.

A sequência negativa causou mudança na comissão técnica do Bahia: Dado Cavalcanti deu lugar para o argentino Diego Dabove. O novo treinador vai estar na Arena do Grêmio neste sábado, mas ainda não será sua estreia. O time será comandado interinamente pelo português Bruno Lopes, do time sub-23.

Sobre o time que perdeu para o Atlético-GO, por 2 a 1, de virada, em Salvador, Bruno Lopes não descartou fazer mudanças. Uma delas será a volta do atacante Rossi, que cumpriu suspensão automática. "Cada treinador tem sua ideia, e algumas questões comportamentais podemos mudar indiretamente porque não tivemos muito tempo para treinar. Alguns ajustes táticos, posicionais. Talvez algumas mudanças na escalação", despistou o treinador.

Escrito por:

Estadão Conteúdo