Publicado 19 de Agosto de 2021 - 13h09

Por Redação

Manifestantes saíram às ruas para protestar contra o domínio do Taleban pelo segundo dia seguido, nesta quinta-feira, 19, desta vez marchando em Cabul, inclusive perto do palácio presidencial, de acordo com o vídeo feito por jornalistas locais e testemunhas. Em uma manifestação na capital do Afeganistão, cerca de 200 pessoas haviam se reunido antes que o Taleban as dispersasse violentamente.

As manifestações de hoje marcam o feriado do Dia da Independência, que comemora o tratado de 1919 que pôs fim ao domínio britânico sobre o país. Os protestos foram uma notável demonstração de rebeldia após os radicais dispersarem violentamente grupos que se manifestaram na quarta-feira.

A nova onda de rebeldia ocorre apenas um dia depois de a violência eclodir com protestos em duas outras cidades, também com relatos de repressão por parte do Taleban contra populares e jornalistas.

Um dia antes, alguns protestos tornaram-se violentos na cidade de Jalalabad, no leste do país, quando os manifestantes tentaram derrubar a nova bandeira do Taleban e substituí-la pela bandeira da República Afegã. Pelo menos uma pessoa morreu.

"Saúdem aqueles que carregam a bandeira nacional e assim representam a dignidade da nação e do país", escreveu no Twitter um alto funcionário do governo afegão deposto, Amrullah Saleh.

Na quinta-feira, uma procissão de carros e pessoas transportou bandeirolas pretas, vermelhas e verdes em homenagem ao Afeganistão nas proximidades do aeroporto de Cabul. A bandeira afegã tornou-se um símbolo de rebeldia, já que os militantes taleban têm sua própria bandeira.

Em outro protesto na província de Nangarhar, vídeo publicado nas redes sociais mostrou um manifestante com um ferimento de bala sangrando, enquanto os espectadores tentavam carregá-lo.

Na província de Khost, as autoridades taleban instituíram um toque de recolher de 24 horas na quinta-feira, após a desmobilização violenta de outro protesto, de acordo com as informações obtidas por jornalistas. Os manifestantes também tomaram as ruas da província de Kunar, de acordo com testemunhas e vídeos na internet.

Ao longo de mais de duas décadas, o Taleban provou que eles sabiam como fazer uma insurgência. Mas nos últimos cinco dias, surgiram sinais ameaçadores de que ainda não aprenderam a governar um país. Muitos temem que o Taleban seja bem-sucedido em apagar duas décadas de esforços para expandir os direitos humanos e conquistas das mulheres.

Depois de chegar tão rapidamente ao poder, a realidade de governar uma nação está se mostrando tão difícil para o Taleban quanto sua blitz militar nas províncias do país. Muitos trabalhadores críticos estão se escondendo em suas casas, temerosos de represálias apesar das promessas de anistia. E serviços essenciais como eletricidade, saneamento e água limpa podem ser afetados em breve.

Enquanto o Taleban, por enquanto, tem o monopólio do uso da força, não existe um serviço policial funcional em qualquer sentido tradicional. Em vez disso, ex-combatentes estão patrulhando postos de controle e - em muitos casos, segundo relatos de testemunhas - administrando a lei como julgam conveniente.

A sugestão da liderança do Taleban, esta semana, de que a brutalidade que definiu sua regra há duas décadas era coisa do passado, nem sempre foi igualada pelas ações dos soldados nas ruas.

Os membros do Taleban estão intensificando a busca por pessoas que eles acreditam ter trabalhado com as forças dos EUA e da Otan, inclusive entre as multidões de afegãos no aeroporto de Cabul, e ameaçaram matar ou prender seus familiares se não conseguissem encontrá-los, de acordo com um documento confidencial das Nações Unidas.

Os afegãos, fugindo do país, enfrentam a violência do Taleban no perigoso caminho para o aeroporto, onde o Exército dos EUA tem tentado conter o caos contínuo. O som dos caças que rugem sobre Cabul foi quase constante nesta quinta-feira, quando mais forças americanas e internacionais correram para evacuar os estrangeiros, muitos ainda presos fora do aeroporto.

Finanças congeladas

O Taleban tomou o poder falando em combate à corrupção e recuperação econômica, mas para isso dependerá de ajuda internacional. O Banco Mundial permanece em silêncio, mas o Fundo Monetário Internacional (FMI) disse na quarta-feira que bloquearia o acesso do Afeganistão a cerca de US$ 460 milhões em reservas de emergência, uma decisão que se seguiu à pressão da administração Biden. Um acordo alcançado em novembro entre mais de 60 países para enviar ao Afeganistão US$ 12 bilhões nos próximos quatro anos também está em dúvida.

Enquanto lutam contra a crise imediata, o Taleban enfrenta ameaças à estabilidade a longo prazo do Estado. A assistência é crítica em um país onde o Programa Mundial de Alimentação das Nações Unidas estima que muitos estão passando fome. "São 14 milhões de pessoas, incluindo 2 milhões de crianças subnutridas", disse a organização.

O Taleban reafirmou seu novo regime em uma mensagem publicada no Twitter nesta quinta-feira, comemorando o aniversário da independência do domínio britânico há mais de um século. (Com agências internacionais).

Escrito por:

Redação