Publicado 19 de Agosto de 2021 - 8h09

Por Bruna Arimathea

O brasileiro ficou mais conectado entre os anos de 2020 e 2021, indicou a pesquisa anual TIC Domicílios, divulgada na quarta-feira, 18. No último ano, o acesso à internet no País chegou a 83% da população, com aumento da presença das classes C, D e E - o crescimento nessas faixas de renda foi de mais de 10%.

O estudo é realizado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), ligado ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

Apesar do aumento do acesso, navegar na internet não significou ter um computador em casa. A pesquisa revela que apenas 50% das pessoas de classe C possuem o dispositivo, enquanto nas classes D e E o número cai para 13%. Porém, o estudo estima um avanço no uso desses aparelhos, que encaravam índices menores em 2020.

A maior parte do acesso também foi feita via internet banda larga instalada nos lares brasileiros - 69% da população utilizam esse serviço. Isso porque o oferecimento da tecnologia de fibra óptica pelas provedoras de internet também teve um aumento, refletindo diretamente no uso da conexão em casa. A internet móvel, por sua vez, viu queda: de 27%, em 2020, passou para 22% do total de acesso pelos usuários.

Televisão

A pesquisa também apontou mudanças nos dispositivos de acesso à internet. Ao passo que o telefone celular ainda ocupa o topo, com 99% das pessoas navegando pelo smartphone, pela primeira vez os aparelhos de televisão superaram o acesso pelos computadores no Brasil. Na briga, as SmartTVs já aparecem como preferência: o acesso por elas passou para 47%, enquanto os computadores ficaram com 42% do total.

A pesquisa ainda abordou o uso da rede de acordo com a área de acesso e confirmou que os municípios e bairros rurais ainda enfrentam dificuldades em garantir internet para os moradores - os números, porém, vêm aumentando gradualmente ano a ano. No total, 70% da zona rural já possui algum tipo de acesso à rede, enquanto na zona urbana o número alcança o patamar de 83%. "Os resultados mostram a resiliência da rede em meio à pandemia", aponta Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Escrito por:

Bruna Arimathea