Publicado 19 de Agosto de 2021 - 7h49

Por Estadão Conteúdo

Sonhando com o título, o Athletico-PR enfrenta a LDU nesta quinta-feira, às 19h15, na Arena da Baixada, em Curitiba, por uma vaga na semifinal da Copa Sul-Americana. A vida do Athletico não vai ser fácil. Em Quito, o time paranaense perdeu por 1 a 0. Para se classificar, terá que vencer por dois ou mais gols de diferença. De outro lado, a LDU jogará pelo empate. Caso faça um gol, obrigará o time brasileiro a fazer três.

A partida decisiva aparece no pior momento do Athletico na temporada. O time paranaense vem de três derrotas consecutivas só no Brasileirão, onde deixou a briga pela liderança e caiu para a sexta posição, com 23 pontos.

A expectativa é que o Athletico vá a campo com um time bem semelhante daquele que perdeu no Equador. A principal novidade para este jogo específico é o retorno do goleiro Santos, que estava com a seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O técnico António Oliveira indicou também que poderá mudar o setor ofensivo. Caso isso realmente aconteça, Renato Kayzer começará entre os titulares. O treinador ainda não poderá contar com Pedro Rocha, anunciado oficialmente nesta quarta-feira.

"A equipe, na quinta-feira, com certeza vai dar uma resposta à imagem de acordo com aquilo que é o clube e o talento e a qualidade dos jogadores. É muito bonito estar em todas as competições, mas haveria um momento em que iríamos pagar um preço. Uma coisa é ter semanas cheias para poder trabalhar. Outra coisa é estar em todas as competições, que tivemos essa competência para estar nelas", ponderou o treinador sobre a queda de rendimento.

Do outro lado, a LDU também não indicou muitas mudanças. O técnico Pablo Marini deverá repetir a escalação que bateu o Athletico. No entanto, poderá acontecer alterações pontuais. Angulo e Arce brigam por uma posição no meio de campo. Há uma possibilidade também do time equatoriano aparecer com dois atacantes. Se for esta a opção, Reasco, autor do gol no Equador, formará dupla com Amarilla.

"Temos uma relação de muito respeito, confiança e diálogo com os jogadores. Aqui somos uma família. É com essa união que viemos ao Brasil para buscar uma vaga na semifinal da Sul-Americana. Não estamos esperando um jogo fácil. Será uma batalha, mas estamos preparados", disse Pablo Marini.

Escrito por:

Estadão Conteúdo