Publicado 18 de Agosto de 2021 - 16h59

Por Amanda Pupo e Matheus de Souza/AE

O advogado da Precisa Medicamentos, Túlio Silveira

Divulgação

O advogado da Precisa Medicamentos, Túlio Silveira

A CPI da Covid encerrou a oitiva do advogado da Precisa Medicamentos, Túlio Silveira. O depoente foi à CPI nesta quarta-feira (18) na condição de testemunha, mas saiu da comissão integrando a lista de investigados.

A decisão inicialmente partiu do relator, Renan Calheiros (MDB-AL), e depois foi chancelada pelo colegiado da CPI, que também aprovou incluir o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), nessa lista.

Para justificar a decisão sobre Silveira, Renan afirmou que o "silêncio constrangedor do depoente" - como classificou - "ecoava indícios de participação em prováveis negociações". Alegando respeito ao sigilo profissional de sua relação de advogado da Precisa, Silveira não respondeu perguntas sobre o processo de compra pelo governo federal da vacina indiana Covaxin, intermediada pela Precisa.

"Meu cliente goza do princípio da presunção da inocência, e repudia qualquer acusação de imputação que seja feita a ele neste momento", declarou o defensor de Silveira, Eduardo de Vilhena Toledo, ao fim do depoimento.

Escrito por:

Amanda Pupo e Matheus de Souza/AE