Publicado 18 de Agosto de 2021 - 15h59

Por Estadão Conteúdo

A partida entre Avaí e Coritiba nesta sexta-feira, às 19 horas, no estádio da Ressacada, em Florianópolis, será a primeira do returno da Série B do Campeonato Brasileiro e será histórica por ser o primeiro jogo da competição com a tecnologia do árbitro de vídeo, o VAR. Desde que a tecnologia começou a ser utilizada na Série A, em 2019, e também na Copa do Brasil, diversos times de divisões inferiores pediram a implementação para diminuir erros de arbitragem que prejudicavam as equipes.

Nesta quarta-feira, a Comissão de Arbitragem da CBF definiu a escala de árbitro do jogo, que pode valer a liderança da Série B para o clube catarinense, que atualmente é o segundo colocado com 33 pontos, três atrás do líder Coritiba.

O árbitro principal, do quadro da Fifa, será o paulista Luiz Flávio de Oliveira, que terá como assistentes os também paulistas Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa. O quatro árbitro será o catarinense Fernando Henrique de Medeiros Miranda, com o conterrâneo Marco Antônio Martins como analista de campo.

A arbitragem de vídeo será comandada pelo paulista Vinicius Furlan, que terá o também paulista Thiago Duarte Peixoto como analista do VAR e o carioca Hilton Moutinho Rodrigues como observador.

Em julho, a CBF anunciou que as Séries B, C e D do Campeonato Brasileiro contarão com a utilização do árbitro de vídeo (VAR) ainda nesta temporada. Com os custos totalmente arcados pela CBF, a Série B utilizará a ferramenta em todas as 190 partidas do segundo turno. Já nas Séries C e D a implementação da tecnologia abrangerá as fases finais das duas competições, totalizando 26 e 14 jogos, respectivamente.

A decisão da entidade foi referendada pelos clubes em Conselho Técnico para aquelas séries onde há esta previsão. "Estamos tirando do papel uma reivindicação que os clubes disputantes dessas séries faziam há tempos. É mais um aperfeiçoamento muito importante da CBF às competições nacionais. Isso trará mais justiça ao jogo e mais segurança aos árbitros. As Séries B, C e D mobilizam torcedores, comunidades, cidades e mereciam muito este investimento", afirmou, na época, o presidente da CBF, Antônio Carlos Nunes.

A entidade contará também com a utilização do Centro de Excelência da Arbitragem Brasileira (CEAB), no Rio de Janeiro, que possibilita otimizar toda a operação do árbitro de vídeo. Ao fim de 2021, serão 651 jogos com a ferramenta em competições da CBF.

Escrito por:

Estadão Conteúdo