Publicado 18 de Agosto de 2021 - 14h59

Por Dow Jones Newswires

A China está lutando contra seu segundo surto da variante delta do coronavírus este ano. A mais recente onda, que aparentemente começou no aeroporto da capital da província de Jiangsu, Nanjing, se espalhou para mais da metade das províncias do país asiático. Os danos econômicos já são aparentes à medida que o turismo diminui novamente e os exportadores enfrentam novos gargalos de logística durante o pico da temporada do final do verão local.

O Goldman Sachs cortou sua estimativa de crescimento da segunda maior economia do planeta em 2021, de 8,6% para 8,3%, enquanto o Morgan Stanley reduziu sua previsão de 8,7% para 8,2%.

A China pode ainda controlar essa onda - como fez com todas as outras - com uma potente combinação de testes em massa, lockdown direcionado, quarentenas e rastreamento de contato. Mas o que agora está ficando claro é que esse padrão de abre e fecha da economia pode durar um longo tempo, significando rodadas repetidas de danos aos consumidores e exportadores toda vez que houver um novo surto.

Danos colaterais futuros para a economia podem ser ampliados porque os burocratas agora receberam firmemente a mensagem de que seus pescoços estão em risco para qualquer novo surto - dezenas de funcionários já foram punidos publicamente pelo último surto - e podem tomar medidas preventivas para fechar viagens e eventos locais sempre que houver um surto em andamento em nível nacional, mesmo que ainda não tenha afetado sua comunidade.

Por enquanto, o país continua firmemente comprometido com uma postura de"tolerância zero" em relação ao vírus. Dado o controle cada vez maior do delta sobre o globo e as questões não resolvidas sobre a eficácia das vacinas chinesas contra ele, parece haver poucas perspectivas de mudanças políticas significativas até meados de 2022, no mínimo.

Tudo isso pode ter consequências significativas. O crescimento do consumo e do setor de serviços da China - fonte de todos os ganhos líquidos de empregos para o país desde 2012, com exceção do ano passado - pode continuar ficando para trás por muito mais tempo do que a maioria dos economistas havia previsto anteriormente.

Se o crescimento das exportações desacelerar ainda mais no final de 2021 e houver mais surtos no inverno, o governo poderá ser forçado a voltar a uma política monetária e fiscal mais flexível - e a uma postura mais permissiva em relação à propriedade e à dívida do governo local.

Alternativamente, se Pequim mantiver o limite da dívida, o crescimento poderá desacelerar de forma mais acentuada e o mercado de trabalho e o potencial de consumo da China poderão sofrer cicatrizes mais permanentes. Também são possíveis controles mais rígidos de entrada e saída do país.

Escrito por:

Dow Jones Newswires