Publicado 18 de Agosto de 2021 - 13h38

Por Matheus de Souza e Pedro Caramuru

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta quarta-feira (18) que o Estado espera a entrega de novas doses da Pfizer, pelo Ministério da Saúde, para que o Programa Estadual de Imunização (PEI) possa diminuir o intervalo de aplicação entre as doses do imunizante. De acordo com o governador, o Estado vai seguir a recomendação da redução do intervalo de doses da vacina da Pfizer de 90 para 30 dias.

"Os nossos técnicos, médicos, enfermeiros e profissionais da Secretaria da Saúde, sob a coordenação da doutora Regiane de Paula, coordenadora do PEI, entendem que é possível reduzir o intervalo entre a primeira e a segunda dose da vacina da Pfizer como estabelece o próprio laboratório da Pfizer, que atesta a eficácia e a segurança da vacina em um prazo bem inferior aos 90 dias (de intervalo) que têm sido praticados aqui no Brasil", declarou o governador paulista.

O envio do imunizante da Pfizer a São Paulo acabou se tornando um briga judicial entre o governo paulista e o Ministério da Saúde. De acordo com Doria, a pasta federal havia deixado de enviar 228 mil doses de vacinas da Pfizer a qual o Estado tinha direito, o que obrigou o Estado a entrar na Justiça para garantir o recebimento das doses. Para o Ministério da Saúde, a redução é compensação por vacinas que haviam sido enviadas a mais. Nesta terça-feira, 17, atendendo liminar do governo paulista, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a União assegure o envio das vacinas contra a covid-19 necessárias para aplicação da segunda dose no Estado de São Paulo.

Comitê

O governador paulista também declarou que, após a queda "sistemática" dos índices epidemiológicos no Estado, o Centro de Contingência da Covid-19 passa agora a ser um Comitê Científico da Covid-19. Com a mudança, o grupo, que antes contava com a participação de 21 profissionais, agora deve ser reduzido para nove especialistas. "São as mesmas pessoas, o mesmo time, os mesmos médicos, os mesmos cientistas, porém, em um número menor", disse. "Não há necessidade de se mobilizar 21 pessoas para fazer aquilo que nove pessoas podem fazer com o mesmo grau de eficiência no estágio atual da pandemia."

Entrega de vacinas

O governo paulista realizou nesta manhã a entrega de mais 2 milhões de doses da vacina Coronavac ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Com o novo lote, o Governo e o Instituto Butantan chegam à marca de 74,8 milhões de vacinas entregues ao Ministério da Saúde. O governador também anunciou o recebimento, nesta noite, de mais 4 mil litros do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), necessário para produção da vacina. O insumo equivale a 7 milhões de doses do imunizante.

Também nesta quarta-feira (18), o governo estadual iniciou a vacinação de adolescentes de 16 a 17 anos com comorbidades e deficiências permanentes. O grupo, que inclui também grávidas e puérperas, inclui cerca de 48 mil pessoas.

Escrito por:

Matheus de Souza e Pedro Caramuru