Publicado 18 de Agosto de 2021 - 7h28

Por Ricardo Magatti

Sem Nacho Fernández, mas em sua melhor fase da temporada, o Atlético-MG confia na força de seu elenco para confirmar a classificação às semifinais da Copa Libertadores, fase em que não chega desde 2013, ano da sua única conquista do torneio continental. Para ser semifinalista, o time mineiro conta com o apoio da torcida no Mineirão nesta quarta-feira, às 21h30, e joga por um empate contra o poderoso River Plate, terceiro maior campeão continental, com quatro conquistas.

A vitória de 1 a 0 em Buenos Aires semana passada dá ao Atlético-MG o direito de jogar pela igualdade no Mineirão, que terá a presença de 16 mil atleticanos que esgotaram os ingressos e voltarão a apoiar os jogadores no estádio após 529 dias e 89 jogos com os portões fechados.

Com capacidade reduzida a 30%, porcentual autorizado pela prefeitura de Belo Horizonte, o Mineirão abre as portas para o retorno da torcida atleticana com um protocolo sanitário que obriga o uso de máscara a apresentação do resultado impresso e negativo dos testes tipo RT - PCR ou teste rápido de Antígeno, para diagnóstico da covid-19, realizados até 72 horas antes da partida.

O River precisa balançar a rede atleticana mais de uma vez para passar a ter a vantagem pelo critério dos gols fora de casa. Um triunfo por 1 a 0 dos argentinos levará a definição da vaga para as penalidades.

Líder do Brasileirão, dono de uma sequência de nove vitórias no torneio nacional, invicto na Libertadores e melhor time da fase de grupos, o Atlético chega no seu melhor momento para o principal jogo do ano até aqui.

A equipe treinada por Cuca, técnico que deu ao clube seu primeiro e único título da Libertadores em 2013, passou pelo Boca Juniors nas oitavas e quer eliminar mais um gigante argentino para alcançar as semifinais, fase em que, caso avance, enfrentará Palmeiras ou São Paulo.

As únicas duvidas de Cuca são a presença de Allan e Zaracho. O volante tratou um edema muscular e o meia argentino foi preservado do duelo do fim de semana por desgaste muscular. A tendência é de que retornem e sejam titulares. Mas se não tiverem condições, o elenco oferece várias alternativas ao treinador, que só lamenta e ausência de Nacho Fernández.

Autor do gol da vitória por 1 a 0 sobre o River em Buenos Aires, Nacho foi expulso naquele duelo. O Atlético-MG entrou com uma medida de urgência alegando erro na utilização do VAR que auxiliou na expulsão do jogador, mas a Conmebol rejeitou a solicitação e o meio-campista argentino não vai atuar de novo contra sua ex-equipe.

Tetracampeão da Libertadores, vice em 2019 e semifinalista na edição passada ao cair para o campeão Palmeiras, o River Plate não quer parar nas quartas de final. Embora a missão não seja fácil, o time comandado por Marcelo Gallardo é experiente e um bom visitante, tanto que buscou fora de casa nas oitavas a sua classificação diante do Argentino Juniors.

Em relação à escalação, o principal desafio do técnico Marcelo Gallardo será escolher um substituto para o experiente meio-campista Enzo Pérez, suspenso pelo acúmulo de amarelos. É provável que o técnico opte por utilizar Enzo Fernández. Outra opção é Agustín Palavecino.

O atacante Matías Suárez, já recuperado de lesão, retoma sua vaga entre os titulares e forma dupla de ataque ao lado de Braian Romero. Julián Álvarez, com isso, vai para o banco.

Escrito por:

Ricardo Magatti