Publicado 17 de Agosto de 2021 - 16h22

Por Matheus Andrade

O Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, afirmou nesta terça-feira, 17, que após a saída do Afeganistão, o compromisso com aliados segue sendo o mesmo que anteriormente, como no caso de Israel e Taiwan. Questionado sobre a possibilidade de Taipei perder apoio de Washington após os recentes movimentos na Ásia Central, o conselheiro afirmou em coletiva de imprensa que "são casos diferentes", e reforçou ainda a presença de tropas americanas na Coreia do Sul e na Europa.

"Imagens foram de cortar o coração, mas ações foram necessárias", afirmou Sullivan sobre os recentes desenvolvimentos em Cabul, indicando que o presidente Joe Biden "não estava preparado para seguir com americanos morrendo nesta guerra". O foco agora deve ser na evacuação, segundo o conselheiro, que disse que há tratativas com o Taleban para permitir a retirada de civis do país.

Sobre os comentários do grupo sugerindo uma moderação, Sullivan afirmou que não é questão de confiança, mas de verificação, e que "veremos o que o Taleban fará nos próximos dias". Quanto aos desenvolvimentos, "temos responsabilidade pelas decisões, mas outros parceiros também estavam envolvidos", afirmou, indicando que "vamos analisar toda a operação e vermos o que poderia ter ocorrido melhor e nossas fraquezas".

"Seguimos comprometidos em combater o terrorismo", segundo Sullivan, que indicou que os EUA são "bem sucedidos" em suprimir atividades extremistas em uma série de países "sem presença militar de tropas e nem entrar em uma guerra civil".

Ainda na coletiva, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que as doses de reforço da vacina contra a covid-19 serão discutidas pela administração, e que mais informações devem ser divulgadas amanhã, incluindo uma declaração de Biden. Segundo a representante, o país tem suprimento suficiente para as aplicações adicionais, e ainda segue sendo o principal doador global de vacinas.

Escrito por:

Matheus Andrade