Publicado 10 de Agosto de 2021 - 18h49

Por Estadão Conteúdo

Como vice-governadora de Nova York, Kathy Hochul passou anos na estrada, dando à administração um rosto amigável enquanto visitava cafés e fábricas distantes de cada um dos 62 condados do Estado. Agora, com a renúncia de Andrew Cuomo, sua próxima parada é o Capitólio de Albany.

Aos 62 anos, Hochul torna-se a primeira mulher a liderar o Estado de Nova York - uma ascensão notável para alguém que trabalhou longe dos holofotes, participando de pequenas inaugurações e eventos cívicos, desde que se juntou à equipe do governador em 2014.

Uma democrata centrista do oeste de Nova York, Hochul se juntou ao coro de políticos que denunciaram o governador depois que uma investigação independente concluiu que ele havia assediado sexualmente 11 mulheres enquanto estava no cargo.

"Eu acredito nessas mulheres corajosas", escreveu Hochul, chamando o comportamento de Cuomo de "repulsivo e ilegal" em um comunicado na terça-feira, 10.

Para muitos nova-iorquinos, Hochul é uma incógnita, servindo em um trabalho que é principalmente cerimonial. Em uma típica tarde no final de julho, ela cumpriu uma agenda que incluía anúncio de financiamento para treinamento de trabalho em Utica e uma tour pelo centro de Cazenovia com o prefeito da pequena cidade.

É um contraste significativo com as aparições exigentes de Cuomo, que faz a maior parte de seus negócios em Albany e na cidade de Nova York e cujas instruções diárias sobre o coronavírus se tornaram eventos nacionais.

Hochul não faz parte do círculo interno de assessores e aliados de Cuomo. O nome dela não foi mencionado no relatório investigativo divulgado pela procuradora-geral Letitia James, que detalhava não apenas as acusações de assédio contra Cuomo, mas também os esforços de sua equipe para desacreditar suas acusadoras.

Hochul é uma política experiente, veterana de 11 campanhas que a levaram do conselho municipal ao Congresso, este último representando um distrito conservador do oeste de Nova York após uma surpreendente vitória em 2011.

"Pragmática seria uma boa maneira de descrevê-la", disse Jacob Neiheisel, professor associado de ciências políticas da Universidade de Buffalo. "Alguém que é muito bom em ler as folhas de chá e chegar até onde está seu eleitorado."

Hochul cresceu fora de Buffalo, em uma família católica que enfrentava dificuldades econômicas. Ela se formou em Artes na Syracuse University e posteriormente em direito na Catholic University of America, em Washington, ingressando na prática privada logo depois.

Mas Hochul logo rumou para o serviço público, trabalhando em Washington como assessora do ex-deputado norte-americano John LaFalce e, posteriormente, do senador Daniel Patrick Moynihan, ambos de Nova York, antes de ocupar seu primeiro cargo público, no conselho municipal de Hamburgo, perto de Buffalo.

A partir daí, ela se tornou secretária do condado de Erie, onde fez algumas notícias em 2007 pela resistência a um plano do então governo Eliot Spitzer de permitir que imigrantes não autorizados obtenham carteira de motorista.

Hochul e outro funcionário do oeste de Nova York exploraram um plano para que a polícia prendesse os imigrantes que tentassem se inscrever. "Será um impedimento, e é isso que estou procurando", disse Hochul ao The Buffalo News na época.

Sua próxima mudança foi para o Congresso, onde em 2011 obteve uma vitória surpreendente em uma eleição especial em um distrito que esteve nas mãos dos republicanos por décadas.

Ela perdeu uma candidatura à reeleição um ano depois para o republicano Chris Collins, apesar de ter apoio da National Rifle Association. Mais tarde, Collins pediu demissão da Câmara dos EUA e se declarou culpado de negociar com informações privilegiadas.

Hochul moveu-se para a esquerda, politicamente, quando Cuomo a escolheu como sua companheira de chapa em 2014, após seu primeiro vice-governador, o ex-prefeito de Rochester Robert Duffy, decidir não se candidatar à reeleição.

Ela apoiou o SAFE Act de Nova York, uma das leis de controle de armas mais rígidas do país, bem como a Lei da Luz Verde do Estado, que permite que imigrantes não autorizados obtenham carteira de motorista.

Nos últimos dias, Hochul se manteve longe dos holofotes, cancelando eventos públicos e negando pedidos de entrevistas. Mas, nos bastidores,ela se preparava para o inevitável, consultando seu antigo círculo de conselheiros e familiarizando-se com as minúcias do processo de transição. A vice-governadora recebeu inúmeros apelos de grupos de defesa ansiosos para informá-la sobre seus principais problemas e de líderes governamentais que buscam estabelecer ou expandir relacionamentos com ela.

Algumas semanas atrás, Liz Krueger, uma senadora estadual de Manhattan, e Hochul se encontraram no Pershing Square, um restaurante em frente ao Grand Central Terminal. Enquanto elas compartilhavam uma salada de abacate, Krueger perguntou a Hochul como ela se sentia sobre a possibilidade de Cuomo renunciar. "Ela me garantiu que estava pronta para assumir, se isso fosse exigido dela", disse Krueger.

Hochul não expressou publicamente se ela buscaria um mandato completo em 2022 se assumisse o cargo. Um candidato do interior concorrendo a qualquer cargo estadual em Nova York enfrenta um desafio desanimador, mas ainda mais para o gabinete do governador, que historicamente vem da cidade de Nova York.

Neiheisel disse que, dado seu histórico, é difícil prever como seria uma "agenda distintamente Hochul", especialmente quando confrontada com a resposta pandêmica ainda ativa do Estado e uma recuperação que envolverá bilhões de dólares em ajuda federal.

"Dado o quão pouco ela tem estado historicamente no ciclo de notícias, eu realmente não acho que ela tenha o tipo de reconhecimento de nome que você esperaria de alguém que de repente está sendo empurrado para uma posição de governador", Neiheisel disse. "Ela vai ter que fazer muito, muito rápido, para que haja uma conversa séria sobre como manter aquele emprego."

Em uma coletiva de imprensa na quarta-feira, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, que tem uma relação notoriamente contenciosa com Cuomo, disse que passou a conhecer Hochul nos últimos anos e que ela parece ser uma "pessoa muito razoável". (Com agências internacionais)

Escrito por:

Estadão Conteúdo