Publicado 10 de Agosto de 2021 - 15h04

Por André Marinho e Iander Porcella

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, afirmou que o Senado norte-americano iniciou a maior modernização já vista da infraestrutura do país. Nesta terça-feira, a casa legislativa aprovou um pacote de US$ 1,2 trilhão que prevê investimentos em obras públicas.

"Por mais de uma geração, o financiamento para prioridades nacionais cruciais, como infraestrutura, está em uma trajetória descendente, prejudicando trabalhadores e empresas", escreveu Yellen em um comunicado.

Segundo a economista, essa tendência de baixo investimento público nos EUA será agora revertida. "Isso é o que a votação de hoje significa."

Resultado de uma articulação da Casa Branca com parlamentares democratas e republicanos, o pacote foi aprovado hoje no Senado com 69 votos a favor e 30 contra. O projeto prevê cerca de US$ 550 bilhões em novos gastos. Os investimentos em pontes, estradas, ferrovias, rede elétrica, banda larga e outras obras públicas serão realizados ao longo dos próximos anos no país.

Além de todos os senadores democratas, 19 republicanos votaram a favor do projeto, incluindo Mitch McConnell, líder da oposição na casa.

Esta é a segunda vitória do presidente norte-americano, Joe Biden, no Senado desde que ele assumiu o cargo no dia 20 de janeiro. Em março, os senadores aprovaram um pacote fiscal de emergência no total de US$ 1,9 trilhão que previa o envio de cheques às famílias e recursos para que as escolas organizassem uma reabertura segura após o impacto da pandemia de covid-19.

A proposta aprovada em março, contudo, não contou com apoio dos republicanos. O Partido Democrata precisou usar o dispositivo orçamentário chamado de "reconciliação" para evitar obstruções e passar o texto por maioria simples.

O partido de Biden tem 50 dos 100 assentos do Senado, mas conta com o voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris, que acumula a função de presidente da casa.

No comunicado, Yellen ressaltou que o plano de infraestrutura não é apenas um pacote de estímulos fiscais, como o anterior. "Em vez disso, este projeto de lei foi elaborado para realizar o trabalho árduo e geracional de construir uma economia mais forte e estruturalmente sólida com investimentos inteligentes no futuro", frisou a ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Os democratas pretendem usar a "reconciliação" novamente para aprovar o próximo item da agenda econômica de Biden: um pacote de investimentos sociais de US$ 3,5 trilhões, com foco em saúde, educação e mudança climática.

Na visão de Yellen, para construir uma economia forte, é preciso investir também em creches e moradias acessíveis.

Escrito por:

André Marinho e Iander Porcella