Publicado 10 de Agosto de 2021 - 10h04

Por Sofia Aguiar e Matheus de Souza/AE

Dos veículos do comboio, 14 viaturas ficarão expostas na Esplanada dos Ministérios, em frente ao prédio da Marinha

Divulgação

Dos veículos do comboio, 14 viaturas ficarão expostas na Esplanada dos Ministérios, em frente ao prédio da Marinha

O presidente Jair Bolsonaro acompanha, na manhã desta terça-feira, 10, o desfile de veículos militares blindados, na rampa do Palácio do Planalto, em Brasília. O evento, que conta com 150 veículos militares, tem como mote a entrega de convite a diversas autoridades da República para participarem do dia de Demonstração Operativa, no próximo dia 16 de agosto. O presidente Jair Bolsonaro já recebeu o convite nesta manhã. Dos veículos do comboio, 14 viaturas ficarão expostas na Esplanada dos Ministérios, em frente ao prédio da Marinha.

O evento não contou com a presença dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) ou do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e nem de dirigentes do poder Judiciário. Junto a Bolsonaro no evento, estão os comandantes do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, e da Marinha, Almir Garnier Santos; o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Augusto Heleno; o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, Laerte de Souza Santos; o ministro da Defesa, Walter Braga Netto; o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI); o ministro da Educação, Milton Ribeiro; o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, dentre outros. Todos aparecem sem o uso de máscara.

O comboio de veículos militares blindados passa pelos arredores do Congresso Nacional como parte da Operação Formosa, um treinamento militar que, pela primeira vez, tem a participação do Exército e da Força Aérea. Parlamentares acusam o exercício de tentativa de intimidação do Congresso brasileiro, uma vez que acontecerá no dia da votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) do voto impresso pela Câmara.

A Marinha brasileira informou por meio de nota que o desfile foi planejado antes da agenda de votação da PEC do voto impresso e que o mesmo "não possui relação com a mesma, ou qualquer outro ato em curso nos Poderes da República".

Escrito por:

Sofia Aguiar e Matheus de Souza/AE