Publicado 08 de Agosto de 2021 - 20h48

Por Estadão Conteúdo

Diferente de outros jogos, mesmo que o resultado fosse negativo, o Santos não apresentou no clássico contra o Corinthians, neste domingo, uma característica habitual do time no comando de Fernando Diniz: volume de jogo. Uma equipe apática e sem apresentar grandes perigos aos rivais. Algo, até então, raro para o Santos, que chegou a mostrar alternativas na maioria das partidas do Brasileirão até aqui, embora a reclamação geral, tanto da torcida quanto do próprio Diniz, fosse a falta de boas finalizações.

Mas no jogo deste domingo, o erro, segundo o técnico do Santos, foi a falta de inspiração. "O time não foi bem, não teve inspiração. Contra o Corinthians fizemos uma partida que fugiu do padrão, principalmente na Vila Belmiro", disse Diniz, referindo-se justamente sobre o volume de jogo reduzido no clássico.

"A gente poderia ter jogado melhor. No primeiro tempo, se a gente acelera um pouco mais o jogo, teríamos criado mais situações efetivas de gols, faltou um pouco de profundidade e intensidade. No segundo tempo criamos menos, o jogo ficou mais morno e o João Paulo fez umas duas boas defesas. A gente chegou umas duas ou três vezes também. Achei que o empate foi justo, foi um jogo bastante tático, estudado", avaliou o técnico do Santos.

Diniz também ressaltou as falhas no sistema defensivo, que ajudaram o Corinthians a causar perigo ao gol de João Paulo, o principal nome do Santos na partida, com importantes defesas. "Demos duas ou três chances ao Corinthians que eram evitáveis, duas de contra-ataque e outra que estava impedido. Hoje quando precisamos do João Paulo ele fez as defesas que tinha que fazer", afirmou o treinador.

Na próxima partida do Brasileirão, o Santos visitará o Fortaleza, na Arena Castelão, em Fortaleza, em jogo válido pela 16.ª rodada. Antes, nesta quinta-feira, a equipe enfrentará o Libertad, pela Copa Sul-Americana.

Escrito por:

Estadão Conteúdo