Publicado 08 de Agosto de 2021 - 12h53

Por Matheus de Souza e Idiana Tomazelli/AE

Bolsonaro participa de manifestação motorizada em apoio a seu governo: campanha eleitoral antecipada

Reprodução

Bolsonaro participa de manifestação motorizada em apoio a seu governo: campanha eleitoral antecipada

O presidente Jair Bolsonaro participou na manhã deste domingo de novo passeio de moto com apoiadores, desta vez em Brasília. Convocados pelo chefe do Executivo, os participantes começaram a se concentrar antes das 9h em frente ao Palácio do Planalto e até puderam subir a rampa que dá acesso ao segundo andar do prédio.

O presidente iniciou o trajeto pouco depois das 9h em direção a Taguatinga e Ceilândia, regiões administrativas do Distrito Federal, e retornou por volta de 11h30 ao Palácio do Planalto. Ao interagir com seus apoiadores, Bolsonaro provocou aglomeração. Ele e muitas das pessoas presentes não usavam máscara de proteção contra a covid-19.

O presidente já realizou o passeio com apoiadores no Rio de Janeiro (RJ), em São Paulo (SP), Chapecó (SC) e Porto Alegre (RS), e em Florianópolis (SC). Apesar de não ser evento oficial da Presidência, a "motociata" sempre mobiliza o aparato público, pois requer reforço no policiamento, mobilização de agentes de trânsito, ambulância e até helicóptero para acompanhar o presidente no trajeto.

Ontem, em Florianópolis, Bolsonaro voltou a fazer acusações contra o sistema eleitoral brasileiro, sem apresentar qualquer prova de fraude nas urnas eletrônicas. "Querem no tapetão decidir as coisas no Brasil. Isso não pode ser dessa maneira. Democracia nasce do voto responsável e contabilizado", disse na ocasião.

Bolsonaro quer o voto impresso para as eleições de 2022, mas a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda o sistema de votação no Brasil foi derrotada na comissão especial por 23 a 11. Ontem, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), anunciou que, a despeito da rejeição, decidiu levar para o plenário a discussão sobre o voto impresso.

A proposta que institui o voto impresso no Brasil deve ser votada no plenário da Câmara até a próxima quarta-feira. Para ser aprovado, o texto precisa de pelo menos 308 votos na Câmara e 49 no Senado, em duas votações em cada Casa, um número que dirigentes de partidos acham muito difícil de alcançar em razão do cenário de crise. Lira já avisou a Bolsonaro que, se o texto for rejeitado, não aceitará ruptura institucional.

Na última terça-feira (3), Bolsonaro se tornou alvo de uma investigação instaurada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em razão das alegações sobre fraudes nas urnas eletrônicas.

A notícia-crime contra Bolsonaro foi apresentada ao STF na noite de segunda (2) pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, que atualmente é o alvo preferencial dos ataques do presidente. O pedido de investigação veio depois de Bolsonaro fazer uma live apresentando vídeos antigos e informações falsas contra as urnas eletrônicas, alegando mais uma vez que o sistema é fraudável.

Escrito por:

Matheus de Souza e Idiana Tomazelli/AE