Publicado 07 de Agosto de 2021 - 3h34

Por Gabriel Pinheiro

Na Olimpíada dos estádios vazios e do silêncio, os atletas acharam um caminho para criar proximidade com o torcedor. Em Tóquio, a plateia não é física, mas, graças às mídias sociais, ela nunca esteve tão perto de seus ídolos. E eles entenderam bem essa nova realidade: no dia em que conquistou sua medalha histórica, Rayssa Leal tornou-se um fenômeno também no Instagram. Com um perfil que traz a informação de ser administrado pela mãe, a "fadinha do skate", de 13 anos, ganhou mais de 4 milhões de seguidores em 24 horas, segundo dados da rede social. Chegou ao Japão com pouco mais de 600 mil fãs e já supera a marca de 6 milhões. Rayssa foi a atleta mais mencionada no Facebook e no Instagram em todo o mundo no dia 26 de julho.

Além dela, nomes como Douglas Souza, Rebeca Andrade e Italo Ferreira também têm experimentado popularidade crescente nas redes. Conforme os Jogos avançam, os fãs se multiplicam, ávidos pelos bastidores do dia a dia de seus ídolos. "A gente vê este momento com muito entusiasmo", afirma Felipe Kozlowski, líder de parcerias do Instagram no Brasil, que está acompanhando de perto os esportistas olímpicos. Para ele, o cenário de pandemia potencializa o interesse dos atletas nas redes, mas eles são protagonistas. "Os estádios estão lá, mas estão vazios. E as plataformas entram justamente para trazer essa áurea de estádio virtual e infinito, sem limite de público. Os atletas estão sabendo tirar proveito desse holofote, entregando bastidores que só eles podem dar, que não aparecem nas transmissões", afirma.

No Twitter Brasil, Rayssa também é a atleta olímpica mais citada, seguida por Rebeca Andrade (2º), Italo Ferreira (3º), Gabriel Medina (4º) e pela americana Simone Biles (5º). "Essa interação entre atletas e público já era bastante presente no Twitter, mas, com o cenário de pandemia e a impossibilidade de torcedor em Tóquio, isso se potencializou", avalia Mariana Romeu, gerente de parcerias do Twitter para América Latina. Vôlei (1º), skate (2º) e ginástica artística (3º) completam o pódio dos esportes que atraem maior interesse do público na rede.

OPORTUNIDADES - Diante deste cenário, abre-se um leque de possibilidades para os atletas olímpicos influenciadores. "Como usuários das redes, nós esperamos que nossos ídolos também estejam ali, sem a mediação da televisão. É por isso que esses perfis têm dado tão certo", afirma Issaaf Karhawi, pesquisadora em comunicação digital na USP e autora do livro "De blogueira a influenciadora". "O digital gera uma percepção de intimidade que pode ser positiva para os atletas quando ali eles são compreendidos em momentos difíceis da competição", acrescenta.

Essa interação íntima com a audiência tem sido bem explorada por Douglas Souza. Em apenas dez dias, entre 19 e 29 de julho, o jogador de vôlei da seleção masculina viu seu perfil no Instagram crescer 1.000%. Começou o mês de julho com pouco mais de 200 mil seguidores e terminou superando a marca de 3 milhões. Mas o que Douglas faz de diferente nas redes sociais? O jogador apostou em mostrar os bastidores da Olimpíada nos Stories, dividindo sua rotina e levando a audiência aos locais onde só ele tem acesso e ela, não. Os momentos de preparação antes dos Jogos e o dia a dia da equipe também foram mostrados ao público, sempre com muita descontração.

"Douglas já tem a chancela de campeão olímpico, ele foi ouro no Rio-2016. Mas agora que ele entendeu as redes sociais e está fazendo uso, com muita inteligência, trazendo o público para aquela delícia de conteúdo que ele foi dividindo ali, a saga da lavanderia, a brincadeira da cama de papelão... Foram coisas inéditas que ninguém esperava", pontua Kozlowski.

Tanto o Twitter quanto o Instagram e Facebook investiram em treinamentos para os atletas. "O Twitter tem uma relação próxima com comitês, equipes e atletas. São realizados treinamentos para que tenham em mãos todas as ferramentas e possam desenhar a melhor estratégia de uso", diz Mariana. "A gente passa muitas dicas. Tem aqueles que são mais interessados e bombam, tem os que têm uma certa timidez, mas que ainda assim entendem a importância de estar ali. A gente vê com muita alegria como eles se desenvolveram desde a última Olimpíada, no Rio", avalia Kozlowski.

DEPOIS DA OLIMPÍADA - Com as bases de fãs ampliadas e o engajamento em alta, proporcionados pelo momento particular de Tóquio, como os atletas influenciadores podem manter o interesse do público em suas mídias sociais depois da competição? Este é o desafio que eles terão de encarar a partir de 9 de agosto. Tanto o representante do Instagram quanto a pesquisadora em influência digital veem um cenário positivo para os competidores.

"Durante a pandemia muito se falou sobre uma nova influência, um tipo de influenciador que não é apenas aquele de ostentação, mas que coloca pautas importantes em circulação. Acredito que os atletas seriam esse tipo de influenciador. Pautas como saúde, bem-estar, disciplina e resiliência poderiam ser temáticas constantes", afirma Issaaf. "Além disso, a economia das redes é fortemente sustentada pela publicidade. Esse destaque pode gerar frutos como patrocinadores em um cenário de falta de incentivo ao esporte brasileiro."

Escrito por:

Gabriel Pinheiro