Publicado 06 de Agosto de 2021 - 16h18

Por Estadão Conteúdo

O Corinthians cumpriu mais uma etapa nesta sexta-feira para a estreia de seus novos reforços. Isso porque o nome de Renato Augusto foi publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF e está liberado para ser relacionado pelo técnico Sylvinho, que aguarda agora o recondicionamento físico. Por isso, muito provavelmente sua estreia não será no clássico contra o Santos, neste domingo, fora de casa, pelo Campeonato Brasileiro.

Anunciado há pouco mais de duas semanas, Renato Augusto precisou esperar pela abertura da janela de transferências internacionais, no último domingo, para iniciar o processo de regularização, que ainda dependia de alguns documentos que precisariam ser enviados pelos chineses. A pendência burocrática foi sanada entre a noite da última quinta-feira e esta sexta.

Com todos os requisitos em mãos, o Corinthians registrou o jogador na CBF e, assim, ele ganhou condições legais de jogo para poder atuar. Acontece que ainda há a questão física a ser levada em conta, uma vez que a última vez em que Renato Augusto entrou em campo foi em dezembro de 2020, ou seja, há quase oito meses.

Embora já venha treinando há cerca de duas semanas, o trabalho com bola foi iniciado há poucos dias. Esse fator pode adiar a reestreia do meio-campista para que ele tenha mais condições na próxima rodada, que será contra o Ceará, no dia 15, em São Paulo.

O caso é diferente do de Giuliano, que vem treinando há mais tempo com bola e fez seu último jogo oficial em abril, há menos de quatro meses, período bem mais curto em comparação com o de Renato Augusto. Dessa forma, ele deve estar entre os relacionados para o clássico, iniciando no banco de reservas.

FAGNER - Nos últimos jogos, quem assistiu ao Corinthians pode ter percebido um menor protagonismo de Fagner na parte ofensiva. Não era impressão. O próprio jogador, em entrevista coletiva nesta sexta-feira, disse que houve um recuo no seu posicionamento na lateral direita nas últimas partidas por conta de uma mudança de Sylvinho na parte tática.

"Acredito que são situações de jogo, a gente tem que ter uma leitura com estratégia. Acredito que o principal fator para isso estar acontecendo é a questão tática, a gente tem uma ideia de que a primeira função do lateral é atacar, estar sempre na frente, mas acredito que o lateral compõe uma linha de quatro, ele tem que estar sempre bem estruturado, depende muito de jogo para jogo", explicou.

Segundo ele, não houve uma conversa oficial com o treinador do Corinthians para haver essa definição nítida nos jogos, mas, pelo bem do coletivo de jogadores no time, respeitou a mudança de Sylvinho.

"Não é uma coisa que a gente conversa, mas eu tento fazer o meu melhor, da melhor forma possível para ajudar a equipe. A gente tem que pensar no coletivo, acredito que apesar dos resultados que nós tivemos, o campeonato que estamos fazendo vem sendo bom, acredito que eu tenha ajudado de alguma forma, seja na construção de uma jogada ou até mesmo na parte defensiva", disse.

Escrito por:

Estadão Conteúdo