Publicado 05 de Agosto de 2021 - 4h08

Por Paulo Favero

O skatista Pedro Barros conquistou a medalha de prata no skate park nesta quinta-feira e festejou muito mais a confraternização de uma modalidade que milita há muito tempo do que o feito em si. Para ele, é muito importante o desempenho esportivo, mas é mais relevante ainda a mensagem que os skatistas estão passando para o mundo.

"Estávamos aqui todos torcendo um pelo outro e compartilhando amor. O mundo precisa de mais união das pessoas e o skate está mostrando isso", afirmou o brasileiro, que foi a terceira medalha de prata do skate nacional na Olimpíada de Tóquio, junto com Rayssa Leal e Kelvin Hoefler, ambas no street.

Para Pedro Barros, sua conquista pessoal ficará em segundo plano. "Essa medalha é simplesmente um detalhe, um suvenir. O Olimpo é a harmonia, o amor que tenho pela minha família. A gente precisa se dedicar e tive vivências maravilhosas na vida. É isso que fica, isso que conta", comentou.

Ele aproveitou para elogiar o australiano Keegan Palmer, que ficou com a medalha de ouro. "Esse moleque foi para minha casa, tinha 9 anos apenas, estava com o pai. Foi para um campeonato que organizamos, surfou lá com e gente, e nos damos super bem. Inclusive já fui para a cada dele também", disse.

O skatista reconheceu a superioridade do adversário na competição de park e parabenizou o australiano pela medalha de ouro. "Eu vi ele treinando outro dia e estava fazendo coisas de outro mundo nesta pista. Ele elevou o nível e está levando o skate para outro patamar", explicou Pedro Barros.

O brasileiro também minimizou a polêmica sobre a nota dada a Luizinho Francisco, que fez uma boa última volta, mas não conseguiu por muito pouco um lugar no pódio. "Ele não está ligando para essa medalha, ele queria acertar a volta. E conseguiu. Ele chutou o capacete porque é a energia que acontece diariamente numa sessão de skate, esse é o verdadeiro espírito. Não tem medalha nenhuma que tira o brilho disso", opinou.

Escrito por:

Paulo Favero