Publicado 04 de Agosto de 2021 - 18h34

Por Estadão Conteúdo

O canal infantil Nickelodeon anunciou os indicados do Meus Prêmios Nick, com 22 categorias, como artista de TV, artista musical, hits do ano, clipe do ano e desenho animado. Após a divulgação da lista, houve críticas na internet e rejeição do influenciador Lucas Rangel.

Apesar do prêmio ser brasileiro, o grupo musical sul-coreano BTS é quem tem o maior número de indicações, com 5 categorias, seguido pelo Now United e Olivia Rodrigo, com 4 nomeações cada. As artistas nacionais Anitta, Giulia Be, Juliette Freire, Lagum, Maisa e Manu Gavassi têm 3 indicações cada.

Polêmica LGBT

Nem todos ficaram satisfeitos com a indicação ao prêmio. O influenciador Lucas Rangel estava na categoria Ship do Ano por seu namoro com Lucas Bley, mas usou seu Twitter para refutar a indicação e reclamar da postura do Nickelodeon.

"Os Meus Prêmios Nick (a pseudo premiação) nunca me colocou em nenhuma categoria anteriormente, e agora que tô namorando quer vir fazer vibe e me colocar em shipper do ano? Me poupe. Não permiti minha imagem, e o Lucas também não permitiu a dele", disparou Rangel. "Todos os anos falei como essa premiação é comprada e fake, e continuo com esse pensamento. Dou até amanhã pra tirarem eu e meu namorado do site."

Em resposta oficial, a assessoria do Nickelodeon afirmou que "respeita o pedido do talento para remover seu nome da lista de indicados do Meus Prêmios Nick 2021. As categorias já se encontram atualizadas."

Lucas acusou a Nick de se promover com a causa LGBTQIA+ sem realmente fazer parte dela. "É muito fácil não enaltecer meu trabalho por anos. Sabendo muito bem da grandiosidade das minhas redes. E querer me aparecer com shipper do ano porque sou um casal LGBTQ. Pink money me usando não amor, vaza", completou.

Votação

A escolha dos vencedores é feita por voto popular através do site oficial, pelos perfis de Twitter, usando a hashtag do indicado seguida por #MPN, e Instagram, comentando qualquer post da @nickelodeonbr com a hashtag do indicado e #MPN.

Escrito por:

Estadão Conteúdo