Publicado 21 de Julho de 2021 - 1h28

Por Estadão Conteúdo

A atuação memorável do jovem Marquinhos foi, naturalmente, um dos assuntos da coletiva do técnico Hernán Crespo após a vitória por 3 a 1 sobre o Racing na noite desta terça-feira que classificou o São Paulo às quartas de final da Libertadores. O treinador enalteceu o atacante de 18 anos, que não sentiu o peso de ser titular pela primeira em um jogo de Libertadores e foi decisivo para o triunfo são-paulino, com um gol e uma assistência. Aos 18 anos, o atacante cria de Cotia fez história ao se tornar o jogador mais jovem a marcar pelo time tricolor na Libertadores.

"Se formos falar do Marquinhos. Ele fez sua estreia uma semana atrás e voltar assim, protagonista, é uma grande satisfação para todo clube. É um produto feito em Cotia. E quando você vê um time dessas características, com tanta gente de Cotia, é uma grande satisfação", pontuou o treinador, que foi feliz ao apostar em um ataque rápido com Marquinhos e Rigoni, este autor dos outros dois gols são-paulinos.

"Trabalhamos sempre com o grupo de Cotia. Nós acreditamos que os jovens são o futuro, mas precisamos de jogadores como Arboleda, Léo, Miranda, Volpi, com talento e experiência, para ajudá-los", ponderou Crespo.

O argentino disse que, com baixas relevantes no elenco, é importante "criar soluções novas", como a aposta nos jovens oriundos da base. E esses garotos também podem ser solução para as finanças do clube no futuro.

"Já falei dos inconvenientes financeiros que têm o clube. Hoje, encontramos um grande atacante como o Marquinhos, que poderá ajudar o São Paulo no presente e no futuro", afirmou o comandante são-paulino.

Além da volta de Rigoni, Crespo pôde escalar Miranda e Benítez, outros dos principais jogadores da equipe que se recuperaram recentemente de lesão. Suas ausências foram determinantes para a queda de rendimento no time na temporada. Com eles, o São Paulo ganha em técnica, experiência e se torna uma equipe muito mais encorpada. E isso foi visto na Argentina, com grande exibição de Miranda na zaga e de Benítez ao lado de Gabriel Sara em um meio de meio mais leve, sem Luan, que começou o jogo no banco.

"Tivemos muitos desfalques ultimamente. Foi fundamental voltar com Rigoni, Benítez e Miranda. É muito mais fácil alcançar os resultados quando se tem jogadores de grande talento em condições ótimas", resumiu Crespo.

A classificação na Argentina deixa Crespo satisfeito, mas não o empolga. O treinador reiterou que, em sua visão, a equipe ainda está em construção e necessita de ajustes para engrenar na temporada. No Brasileirão, é apenas o 15º colocado e continua próximo à zona de rebaixamento.

"Somos um time em construção, um time que fez muitas coisas importantes, mas sabemos que a situação é critica", reforçou o treinador. Ele terá pouco tempo para trabalhar a equipe na dura sequência que terá pela frente. Domingo, o desafio é o Flamengo, pela 13ª rodada do Brasileirão. Depois vem o Vasco, pelas oitavas da Copa do Brasil, e o clássico com o Palmeiras, no fim de semana seguinte, pela 14ª rodada.

Crespo dedicou a vitória na Argentina para o massagista do clube, Marcelo Silva, o Marcelinho, sofreu um mau súbito e desmaiou na beirada do campo no Morumbi, na noite de sábado, em duelo pelo Campeonato Brasileiro contra o Fortaleza.

"Quero aproveitar para dedicar a vitória ao nosso companheiro Marcelinho, que passou mal e agora está saindo do hospital. Para nós, é muito importante que um colega de trabalho esteja bem e a classificação foi para ele".

Escrito por:

Estadão Conteúdo