Publicado 18 de Julho de 2021 - 17h32

Por Estadão Conteúdo

De volta ao posto mais alto do pódio da Fórmula 1 após cinco corridas, Lewis Hamilton comemorou muito a vitória deste domingo no GP da Inglaterra, no Circuito de Silverstone, tanto pelo fim do jejum quanto por ter vencido em seu país natal. A vitória veio após polêmica batida em Max Verstappen logo na primeira volta. Ao fim da corrida, Hamilton afirmou que o incidente não desvaloriza o triunfo, enquanto o holandês alega que foi desrespeitado pelo na comemoração.

O acidente ocorreu ainda na primeira volta, após Hamilton esbanjar agressividade nas primeiras curvas do traçado, tentando superar Verstappen. Depois de várias investidas para cima do líder, a roda dianteira esquerda da Mercedes bateu na traseira direita do carro da Red Bull e o holandês foi jogado para fora da pista, sem condições de continuar a correr. "Eu o enganei, movi para a direita para aquela lacuna e eu estava bem ao lado dele, mas eu pude ver que ele não iria recuar. Nós entramos no canto e colidimos", explicou Hamilton.

Punido em dez segundos pelo episódio que custou a saída de Verstappen, o britânico chegou a cair para a quarta colocação, mas conseguiu passar Sergio Pérez, Valtteri Bottas e, enfim, Charles Leclerc, para vencer a prova. O enredo emocionante deu ainda mais valor ao fim do jejum.

Questionado se a batida tirava o brilho da vitória, Hamilton foi direto: "Honestamente, não tira. Isso é corrida. Há muito espaço na pista para a gente se locomover e eu tenho conseguido há muito tempo não colidir com ninguém". "Claro, esse nunca é o jeito que eu quero ganhar uma corrida, mas essas coisas acontecem. Eu só espero que ele esteja bem. Estou ansioso para muito mais corridas", completou.

Mesmo antes da resposta, o piloto da Mercedes já havia deixado claro em sua comemoração, empunhando a bandeira britânica, que não considerava o incidente motivo para diminuir sua conquista. Do outro lado, houve bastante indignação. Verstappen, que saiu de Silverstone para o hospital, apenas por precaução, criticou a celebração.

"Estou feliz por estar bem. Obviamente, muito desapontado por ter sido eliminado assim. A punição dada não nos ajuda de forma alguma e não faz justiça ao movimento perigoso de Lewis na pista. Assistir às comemorações depois da corrida ainda no hospital foi um comportamento desrespeitoso e antidesportivo, mas seguimos em frente", escreveu o holandês.

Antes disso, o chefe da Red Bull, Christian Horner, também não poupou críticas a Hamilton. Ele disse que o piloto da Mercedes praticou uma "pilotagem suja" e que a manobra que tirou Verstappen da pista foi um "ato de desespero".

Com a vitória deste domingo, sem o rival na pista, Hamilton chegou a 177 pontos no Mundial de Pilotos, ainda em segundo lugar, mas agora a diferença para o líder Verstappen, que tem 185, é de apenas oito pontos. Antes da corrida deste domingo, os dois estavam separados por 33 pontos.

Escrito por:

Estadão Conteúdo