Publicado 16 de Julho de 2021 - 20h22

Por Fábio Grellet

Julia Mello Lotufo, viúva de Adriano da Nóbrega, ex-capitão da Polícia Militar do Rio e líder de uma milícia de matadores conhecida como Escritório do Crime, morto em fevereiro de 2020 durante suposto confronto com a polícia na Bahia, informou ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) o nome da pessoa que supostamente mandou matar a vereadora Marielle Franco, assassinada em março de 2018 no centro do Rio.

A informação é da revista Veja, segundo a qual Julia, que cumpre prisão domiciliar e é obrigada a usar tornozeleira eletrônica, está negociando um acordo de delação premiada com o MP-RJ. A revista diz que, conforme a viúva, o mandante da morte da parlamentar é comandante da milícia da Gardênia Azul, bairro da zona oeste do Rio. Mas a Veja não conseguiu descobrir o nome do acusado. O sargento reformado da PM Ronnie Lessa e o ex-PM Elcio Queiroz estão presos desde março de 2019, sob acusação de serem os executores do crime, mas a investigação sobre os mandantes ainda não chegou a uma conclusão.

Segundo a reportagem publicada pela revista, as primeiras declarações de Julia sobre a morte de Marielle foram dadas em fevereiro de 2020, dias após a morte de Adriano, em conversa com seis pessoas ocorrida em Brasília. Na ocasião, Julia contou que Adriano não teve nenhuma participação no assassinato da vereadora e chegou a cobrar satisfações de seus comparsas em Rio das Pedras, na zona oeste do Rio, para saber se algum deles tinha envolvimento com o caso. Isso porque temia que, embora não tivesse nada a ver com o caso, as investigações atrapalhassem seus negócios ilícitos.

Após ter sua prisão decretada, sob acusação de participar de uma organização criminosa e de um esquema de lavagem de dinheiro que envolvia os negócios ilícitos do marido, Julia passou a considerar a hipótese de firmar um acordo de delação premiada. Em junho, ela se reuniu com as promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile, que então integravam uma força-tarefa responsável por investigar a morte de Marielle, e repetiu que Nóbrega não teve nada a ver com o caso, mas sabia que o mandante do crime era um líder da milícia da Gardênia Azul, que estava incomodado com a atuação da vereadora Marielle Franco. Ela estaria atrapalhando seus negócios e por isso ele decidiu matá-la. Embora Julia tenha dito o nome da pessoa, a identidade não foi obtida pela Veja.

Procurado pelo Estadão para se manifestar sobre os fatos narrados pela revista, o MP-RJ afirmou, em nota, apenas que "os fatos mencionados estão sendo analisados em procedimentos que tramitam em caráter sigiloso".

As famílias de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, assassinado na mesma ocasião, por estar ao lado da vereadora no carro, e o comitê Justiça por Marielle divulgaram nota em que afirmam que "não têm conhecimento sobre as denúncias veiculadas na revista sobre os possíveis autores intelectuais do crime" e que "nossos advogados seguem sem acesso aos autos das investigações". "Seguiremos pressionando para saber quem quer interferir nas investigações, quem mandou matar Marielle e o porquê", conclui a nota.

Escrito por:

Fábio Grellet