Publicado 16 de Julho de 2021 - 9h03

Por Estadão Conteúdo

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, o alemão Thomas Bach, encarou uma sexta-feira com vários compromissos e teve de encarar protestos em sua visita à cidade de Hiroshima, no Japão. Mas mostrou, mais uma vez, sua confiança em realizar os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 com total segurança com relação às questões de saúde por causa da pandemia do novo coronavírus.

Bach visitou um parque na cidade de Hiroshima, atingida por uma bomba atômica durante a Segunda Guerra Mundial. Na solenidade, ele reforçou a "missão de paz do Movimento Olímpico" e pediu solidariedade em um momento em que a humanidade ainda luta para controlar a covid-19. "Sem solidariedade, não há paz. Os Jogos Olímpicos serão uma luz de esperança para um futuro melhor e mais pacífico", afirmou.

Mas a ida do dirigente máximo do COI à cidade gerou protestos de grupos que querem o cancelamento da Olimpíada. Um grupo de cidadãos havia pedido ao governo de Hiroshima que cancelasse a visita de Bach no dia que marca o início da Trégua Olímpica. O grupo formalizou o pedido com um abaixo-assinado com mais de 15 mil assinaturas que foi entregue a um oficial da prefeitura.

O grupo argumentou que o presidente do COI estaria se aproveitando politicamente da cidade a fim de promover a paz mundial, enquanto parte da opinião pública se mostra receosa a realização dos Jogos Olímpicos. Em sua petição, o grupo denominou a visita como "desonra aos hibakusha", se referindo aos sobreviventes da bomba atômica.

Sobre os Jogos, Bach revelou que o risco de um surto de covid-19 a partir dos credenciados é "zero". O dirigente está no Japão desde a semana passada para reuniões e acertos finais antes do megaevento, cuja cerimônia de abertura será realizada no próximo dia 23 no estádio Nacional de Tóquio. "O risco para os moradores da Vila Olímpica e o risco para o povo japonês é zero", disse.

O presidente do COI contou que já foram realizados mais de oito mil testes de detecção de covid-19. Apenas três casos positivos foram anunciados e todos eles foram colocados em isolamento. Pessoas próximas a essas pessoas, também.

A declaração de Bach vem no momento em que os casos positivos sofre um significativo aumento em Tóquio. Na quinta-feira, a capital japonesa registrou 1.308 testes positivos, quantidade mais alta desde o final de janeiro - ela está pela quarta vez em estado de emergência.

Escrito por:

Estadão Conteúdo