Publicado 16 de Julho de 2021 - 7h34

Por Estadão Conteúdo

Um atleta olímpico do levantamento de pesos de Uganda foi declarado como desaparecido, nesta sexta-feira, após se verificar que não estava no hotel da cidade japonesa de Izumisano, que hospeda a delegação do país africano no período de aclimatação para a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. O anúncio foi feito por um porta-voz da prefeitura.

Pouco depois do meio-dia desta sexta-feira (horário local, meia-noite no de Brasília), as autoridades da cidade de Izumisano informaram à polícia sobre a ausência de Julius Ssekitoleko, de 20 anos, da equipe do levantamento de pesos de Uganda, que não se apresentou para fazer o teste diário de detecção da covid-19, obrigatório pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e autoridades japonesas.

O atleta foi visto pela última vez por seus compatriotas pouco antes da meia-noite de sexta-feira (meio-dia de quinta no de Brasília), relataram as autoridades locais, que alertaram a polícia sobre o desaparecimento.

Segundo o jornal Daily Monitor, de Uganda, Ssekitoleko estava em uma lista de espera para os Jogos Olímpicos, mas recentemente perdeu a esperança de participar da competição devido às cotas olímpicas. Por isso, deveria retornar para seu país em breve.

Ssekitoleko fez parte do primeiro grupo de nove atletas, treinadores e dirigentes de Uganda que chegaram ao Japão em meados de junho. Nele, duas pessoas, que não eram atletas, testaram positivo para a covid-19 pouco depois. Todo grupo foi imediatamente posto em quarentena em Izumisano.

As autoridades japonesas adotaram restrições mais severas para todos os participantes dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, que acontecerão de 23 de julho a 8 de agosto, no momento em que a crise sanitária se agrava no Japão com o aumento diário de casos de covid-19.

Os atletas são submetidos a testes diários e seus deslocamentos estão limitados aos locais de alojamento, centros de treinamento e instalações de competição. Quase todas as competições serão disputadas a portas fechadas, conforme decisão anunciada pelos organizadores na semana passada.

Escrito por:

Estadão Conteúdo