Publicado 30 de Junho de 2021 - 19h03

Por Lucas Rossafa/ Correio Popular

O jogador Moisés, da Ponte Preta

Álvaro Jr /Ponte Press

O jogador Moisés, da Ponte Preta

A Ponte Preta tirou uma tonelada das costas, espantou a má fase e deu fim ao jejum de 11 jogos na temporada ao vencer o CSA, ontem à tarde, no Estádio Moisés Lucarelli, pelo placar de 2 a 1, em duelo válido pela oitava rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Moisés e Thalles, ambos de canhota e um em cada tempo, anotaram a favor da Macaca, enquanto Dellatorre descontou ao Azulão.

Com o resultado positivo, o primeiro desde o Dérbi 199, Alvinegra sobe para seis pontos, mas segue na lanterna da competição nacional, enquanto o clube de Maceió estaciona em oito, na segunda metade da tabela.

O Jogo

Sob pressão da última posição e com falta de confiança, inerente pela seca de vitórias na temporada, Ponte Preta foi dominada pelo CSA após o apito inicial.

Nos oito primeiros minutos, por exemplo, Azulão, embora estivesse longe de Maceió, tomou a iniciativa e foi dono das principais ações.

Com controle da posse de bola, comandados de Bruno Pivetti emplacaram duas boas oportunidades, com Dellatorre e Silvinho, cuja finalização, cara a cara, foi defendida por Ygor Vinhas.

Antes do intervalo, faltou lucidez e qualidade técnica para Macaca, que cedeu espaços ao adversário no meio-campo e encontrou dificuldades para organizar as jogadas.

A aposta de Gilson Kleina por Marcos Júnior, escolhido para substituir Vini Locatelli, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, não surtiu efeito. Tímido, volante não conseguiu cumprir o papel a ser executado e viu Camilo, principal responsável pela organização das jogadas, apagado e em tarde infeliz.

Se estava difícil organizar um lance no sistema ofensivo, a Ponte Preta foi perspicaz e fatal para explorar o erro alagoano na saída de bola.

Depois de adiantar marcação, Dawhan interceptou passe errado de Geovane no meio-campo, arrastou bola até a entrada da área e serviu Moisés, imperdoável na finalização de canhota, no último lance antes do descanso.

Com Renato Cajá em campo, o CSA retornou dos vestiários superior e chegou com perigo em dois arremates.

Os nordestinos, entretanto, após vacilo imperdoável na etapa inicial, redimiram-se e empataram o jogo a partir de erro de Ednei na saída de bola: Cajá, velho conhecido no Majestoso, roubou bola de Ednei e serviu Dellatorre.

Pouco depois de sofrer o empate, Gilson Kleina acionou Thalles e André Luiz para reoxigenar o meio-campo e colheu frutos saborosos um minuto depois.

Logo no primeiro toque na pelota, Thalles, recém-recuperado de edema na coxa, aproveitou passe rasteiro de Rodrigão, acionado por Kevin, e completou de canhota para colocar Ponte Preta novamente em vantagem.

Mais confiante a partir do segundo gol, a Ponte Preta ganhou forças e atirou-se ao ataque, com cautela, para buscar o terceiro e matar o confronto - foram, no mínimo, duas oportunidades claras de ir à rede.

FICHA TÉCNICA: PONTE PRETA 2 x 1 CSA

Ponte Preta: Ygor Vinhas; Kevin, Ednei, Cleylton e Felipe Albuquerque; Dawhan (Ruan Renato) e Marcos Júnior (André Luiz); Moisés (Niltinho), Camilo (Thalles) e Richard; Rodrigão (João Veras). Técnico: Gilson Kleina

CSA: Thiago Rodrigues; Cristovam, Matheus Felipe, Lucão e Vitor Costa; Geovane (Renato Cajá) e Giva Santos (Yuri); Yago (Reinaldo), Gabriel (Bruno Mota) e Silvinho; Dellatorre. Técnico: Bruno Pivetti

Gols: Moisés e Thalles (PON) | Dellatorre (CSA)

Cartões amarelos: Niltinho (PON) | Cristovam, Gabriel e Thiago Rodrigues (CSA)

Árbitro: José Mendonça da Silva Júnior (PR)

Público e renda: portões fechados

Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)

Escrito por:

Lucas Rossafa/ Correio Popular