Publicado 23 de Junho de 2021 - 7h27

Por Ricardo Magatti

O Palmeiras vive um bom momento dentro de campo, com duas vitórias seguidas. No entanto, fora dele, o clube trabalha para que as atitudes de Lucas Lima e Patrick de Paula, afastados após terem sido flagrados em bares que funcionavam clandestinamente, além do horário permitido em São Paulo, não afetem negativamente o desempenho da equipe. Nesta quarta, às 19 horas, o desafio é contra o embalado Red Bull Bragantino, em Bragança Paulista.

A quebra de protocolo dos jogadores provocou revolta na diretoria, que se reuniu com o elenco e reforçou que não deseja mais ver atitudes semelhantes às de Lucas Lima e Patrick de Paulo - o caso do segundo foi considerado ainda mais grave internamente, já que se tratou de um episódio reincidente.

O clube lamentou a "falta de empatia e de responsabilidade", e citou que as "atitudes inadmissíveis" vão receber "o devido tratamento", aplicando as "sanções administrativas máximas" determinadas pelo seu regulamento interno. Os dois ficarão afastados dos treinamentos até determinação do departamento de futebol. Há dez dias, o Palmeiras prestou homenagens póstumas a dois de seus funcionários que morreram vítimas de covid-19.

"Foi um erro grotesco, mas que não pode se repetir", reconheceu Felipe Melo, um dos líderes do elenco. "Tivemos reuniões aqui dentro, vamos cobrar como líderes. Nossa direção, presidente, estão cobrando, mas são meus companheiros de trabalho, atletas que jogam junto comigo no Palmeiras e não tenha dúvida que eu jamais vou deixar para trás um atleta meu".

A ideia é fazer com que a irresponsabilidade do jovem volante e do experiente e muito criticado meio-campista não impactem na performance do time em um momento em que os comandados de Abel Braga vêm dando uma boa resposta após a eliminação vexatória para o CBR na Copa do Brasil.

O time alviverde é o quarto colocado do Brasileirão, com 10 pontos, e vem de vitórias sobre Juventude (3 a 0) e América-MG (2 a 1). Está a um ponto do Bragantino, o terceiro. Portanto, o duelo desta quarta é direto na briga pelas primeiras colocações. Dependendo dos resultados, o Palmeiras pode até alcançar a liderança.

Mas a partida em Bragança Paulista certamente não será fácil. O Bragantino está invicto no torneio e no último fim de semana derrotou o poderoso Flamengo no Maracanã. O Palmeiras pode se apegar no retrospecto recente positivo diante da equipe do interior paulista, para a qual não perde desde fevereiro de 2020. De lá para cá, foram cinco jogos e todos terminaram com vitória do time da capital, que eliminou o rival de Bragança da Copa do Brasil 2020 e do Campeonato Paulista deste ano.

"É um time muito qualificado. Todos os jogos contra o Bragantino foram muito difíceis. Precisamos ter bastante atenção. O conjunto deles é muito bom", opinou Gustavo Scarpa. Em grande fase, o meio-campista é o jogador com mais assistências entre todos da Série A nesta temporada, com 12. No Brasileirão, são quatro passes para seus companheiros marcarem.

Abel Ferreira segue sem poder contar com jogadores importantes, como Weverton, Viña e Gómez, que disputam a Copa América, não terá o afastado Patrick de Paula, que vinha sendo titular, mas voltar a ter à sua disposição os atacantes Rony e Breno Lopes. O primeiro foi preservado por desgaste muscular diante do América e o segundo se recuperou de uma amigdalite bacteriana. Rony tem chance de voltar a ser titular. Breno será opção entre os reservas.

Na zaga, Luan segue fora, o que deve fazer com que o técnico português mantenha Felipe Melo improvisado ao lado do jovem Renan. Também existe a opção de Abel escalar o chileno Kuscevic na zaga, o que faria o capitão retomar seu posto no meio de campo. Danilo Barbosa também é uma alternativa para os dois setores. Zé Rafael é outra possibilidade para o meio. O jovem Danilo continua fora, na parte final da transição física.

BRAGANTINO SEM CLAUDINHO - Pela terceira vez seguida o Red Bull Bragantino não vai contar com seu grande destaque, o meia Claudinho. Mas esta ausência não parece ter sido sentida, uma vez que o time vem de duas vitórias seguidas, diante do Corinthians, por 2 a 1, e do Flamengo, por 3 a 2, ambas fora de casa. Agora, dentro do estádio Nabi Abi Chedid, espera confirmar a sua força ofensiva e desbancar o Palmeiras.

O Bragantino tem o melhor ataque da competição, com 13 gols, enquanto Palmeiras e Fortaleza balançaram as redes nove vezes. Parece que o técnico Maurício Barbieri encontrou uma forma do time manter seu rendimento, mesmo sem Claudinho. O meia, que vai representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, foi vetado pelo departamento de fisiologia do clube, por desgaste físico e risco de lesão.

Sem ele, a esperança de gols fica em cima do centroavante Ytalo, que vai completar 100 jogos com a camisa do time. No clube desde a Série B de 2019, ele já balançou as redes 32 vezes e no Brasileiro só marcou um gol na vitória por 3 a 0 sobre a Chapecoense.

O time tem repartido a função de marcar gols. Desta forma, Eric Ramires, Artur, Lucas Evangelista e Aderlan têm dois, enquanto Ytalo, Helinho, Luan Candido, Chrigor e Cuello aparecem com gol cada. "Tomara que minha estrela brilhe e consiga marcar um gol para ajudar o time vencer e novo", comentou Ytalo.

Como de costume, a escalação não foi antecipada, mas não existe motivo aparente para mudança após a vitória no Maracanã. O time segue no esquema 4-3-3, com três volantes, porém, com todos com boa técnica e capacidade de passe e de finalização.A baixa certa é o técnico Maurício Barbieri, suspenso por dois jogos. Como aconteceu contra o Flamengo ele vai ser substituído pelo auxiliar Maldonado.

No time há também o desejo de recuperação diante do rival, que o eliminou nas quartas de finais do Paulistão. "Enfrentamos o Palmeiras recentemente pelo Paulista e acabamos perdendo em casa. Sabemos que o time deles é muito forte e por isso não podemos vacilar. Precisamos entrar em campo ligados para não sairmos atrás no placar e para aproveitarmos as oportunidades. Não podemos desperdiçar. Uma vitória em casa nos deixa em uma boa posição na tabela", disse o zagueiro Léo Ortiz.

Escrito por:

Ricardo Magatti