Publicado 21 de Junho de 2021 - 17h27

Por Gabriel Bueno da Costa

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira, 14, que "não quer conflito" com a Rússia, mas garantiu que seu país responderá, caso Moscou mantenha "ações danosas". Durante entrevista coletiva, ele disse que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) defenderá a "integridade territorial" da Ucrânia, reafirmando seu apoio "à soberania" desse país.

Biden se reúne nesta semana com o presidente russo, Vladimir Putin. A Rússia ocupou a Crimeia e agora controla a península no sul ucraniano.

O presidente americano disse que a cúpula da Otan realizada nesta segunda discutiu as "ameaças da Rússia". Ele disse que "deixará claro" a Putin que há áreas em que é possível cooperar, como Putin já fez no passado, em questões de cibersegurança e "algumas outras atividades". Biden ainda afirmou que deixará claro o que ele considera os limites que não podem ser cruzados, no comportamento russo.

O presidente americano disse que vários líderes de países da Otan elogiaram o fato de que ele pretende falar com Putin. Ainda na política externa, Biden afirmou estar confiante de que ainda será possível fazer "avanços reais" na relação com a Turquia. Ele disse ter tido mais cedo conversas "positivas e produtivas" com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Questionado se a Ucrânia poderia entrar na Otan, Biden disse que isso poderá ocorrer no futuro, mas que o país precisa antes atender a requisitos do grupo, como enfrentar a corrupção interna.

Durante sua fala, Biden ainda voltou a insistir para que os americanos se vacinem contra a covid-19. Segundo ele, a média atual de mortes nos EUA está em 370.

Biden lembrou que isso é bem inferior aos picos do país, mas considerou que "ainda é uma tragédia", pedindo que os não vacinados se apressem para conseguir se imunizar.

Escrito por:

Gabriel Bueno da Costa