Publicado 20 de Junho de 2021 - 15h37

Por Redação O Estado de S. Paulo

O documentário brasileiro A Última Floresta, de Luiz Bolognesi, produzido pela Gullane e Buriti Filmes, foi o vencedor escolhido pelo público no Festival de Berlim 2021, dentro da Mostra Panorama. De Berlim, onde foi acompanhar as sessões presenciais do filme no Summer Special, Bolognesi comentou: "A gente está extremamente feliz com esse prêmio, um prêmio muito importante no Festival de Berlim especialmente nesse momento onde os ianomâmis estão sob ataques dos garimpeiros."

O segundo colocado foi A Guerra de Miguel (Miguel's War), que é uma produção hispano-libanesa. Dirigida por Eliane Rahed, o filme traz a história de um homossexual que volta ao seu país após longa data, mas isso o faz ter de lidar com seu passado.

O filme

A Última Floresta, que tem roteiro do próprio Bolognesi com Davi Kopenawa, escritor, xamã e líder político ianomâmi, denuncia o descaso com indígenas ao longo dos séculos, agravado com a pandemia de covid-19.

Acompanha a rotina de um grupo ianomâmi que vive isolado, em um território ao norte do Brasil e ao sul da Venezuela, há mais de mil anos.

O xamã Kopenawa busca proteger as tradições de sua comunidade e relatá-las para o homem branco que, segundo ele, nunca os viu, nem os ouviu.

Ao mesmo tempo, ele e seu grupo lutam para que garimpeiros, que atuam ilegalmente no território, sejam retirados - mais de 10 mil garimpeiros ilegais invadiram o local em 2020, derrubando a floresta, envenenando os rios e espalhando covid-19 e outras doenças entre os indígenas.

O festival

Por causa da pandemia de covid-19, pela primeira, vez o tradicional festival de cinema, que foi criado em 1951 e é um dos três principais da Europa junto com Cannes e Veneza, foi realizado em duas partes.

A primeira foi a competição online no início de março, que concedeu o maior prêmio, o Urso de Ouro, a Bad Luck Banging and Looney Porn, do diretor romeno Radu Jude, uma crítica à hipocrisia.

E, a segunda, que foi encerrada neste domingo, 20, com exibições ao ar livre.

Escrito por:

Redação O Estado de S. Paulo