Publicado 09 de Junho de 2021 - 19h35

Por Daniela Amorim

O grupo Alimentação e Bebidas saiu de uma elevação de 0,40% em abril para um aumento de 0,44% em maio, dentro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O grupo contribuiu com 0,09 ponto porcentual para a taxa de 0,83% do IPCA no mês.

A alimentação no domicílio desacelerou o ritmo de alta de 0,47% em abril para 0,23% em maio, sob impacto, principalmente, de reduções nos preços das frutas (-8,39%), cebola (-7,22%) e arroz (-1,14%).

Por outro lado, as carnes ficaram 2,24% mais caras, acumulando um aumento de 38% nos últimos 12 meses.

Segundo Pedro Kislanov, gerente do Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE, as carnes sobem por uma pressão de custos de produção, uma vez que a ração animal está mais cara com o avanço na cotação de grãos no mercado internacional, mas também pela alta nas exportações, especialmente voltadas para a China, o que restringe a oferta do produto no mercado doméstico.

A alimentação fora do domicílio subiu 0,98% em maio, acelerando em relação a abril, quando a alta foi de 0,23%. O lanche ficou 2,10% mais caro em maio, enquanto a refeição fora de casa aumentou 0,63%.

"Pode ser uma inflação de custos, especialmente de alta de custos das proteínas, e também pela melhora relativa do cenário da pandemia e da retirada das medidas de restrição", justificou Kislanov. "Agora em maio, com leve melhora (na pandemia), pode ser que tenha tido uma melhora na demanda pelo lanche fora de casa", completou.

Escrito por:

Daniela Amorim