Publicado 09 de Junho de 2021 - 19h35

Por Estadão Conteúdo

A Gioconda leiloada? A casa de leilões Christie's venderá, na sexta-feira, 11, a Mona Lisa Hekking, a famosa réplica do século 17 cujo dono, Raymond Hekking, defendeu como autêntica na década de 1960.

A obra está avaliada entre 200 mil e 300 mil euros (240 mil e 360 mil dólares). A venda será realizada de 11 a 18 de junho no site da Christie's.

Raymond Hekking (1886-1977), apaixonado por arte, defendeu a autenticidade desta pintura perante a imprensa e historiadores da arte até a década de 1960. Ele questionava a autenticidade da obra preservada no Louvre e pediu ao museu parisiense para provar que Leonardo da Vinci era realmente o seu autor.

Obcecado pela ideia de possuir a obra-prima de Da Vinci, Hekking acreditava que não foi a Gioconda real que foi restaurada no Louvre em 1914, três anos após o primeiro roubo da pintura, em 1911, pelo italiano Vincenzo Perugia, e que uma cópia tinha sido devolvida.

Após a morte de Raymond Hekking, em 1977, a pintura permaneceu em posse de sua família.

Para Pierre Etienne, diretor internacional do departamento de pinturas antigas da Christie's, a venda "ilustra perfeitamente o fascínio que a Mona Lisa sempre exerceu e exerce cada vez mais".

A Mona Lisa entrou nas coleções de Francisco I da França pouco depois de 1517. Várias cópias foram feitas posteriormente, no início do século 17, entre elas a adquirida por Raymond Hekking.

O 500º aniversário da morte de Da Vinci foi lembrado em 2019 com várias exposições de prestígio, portanto, indiscutivelmente, o mercado de imagens de Da Vinci estava em alta. No entanto, a Mona Lisa, seja como original ou por meio de suas numerosas cópias, significa dinheiro a qualquer momento.

Das muitas versões da pintura, poucas cópias têm uma história mais fascinante do que a Mona Lisa Hekking. Ele oferece uma visão brilhante sobre a mudança de atitudes ao longo dos séculos em relação ao valor percebido de originalidade versus imitação.

Hekking se revelou um comunicador genial e planejou uma campanha de mídia surpreendentemente proeminente para que sua Mona Lisa fosse reconhecida como "A" Mona Lisa. Ele convidou a mídia a examinar sua cópia e até produziu um filme para apoiar sua afirmação. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Escrito por:

Estadão Conteúdo