Publicado 19 de Agosto de 2021 - 21h09

Por Agência Brasil

Deputado Ricardo Barros durante sessão de votação para presidente da Câmara dos Deputados.

Valter Campanato/Agência Brasil

Deputado Ricardo Barros durante sessão de votação para presidente da Câmara dos Deputados.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia pediu hoje (19) que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia esclareça em 24 horas a decisão que determinou a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados.

Cármen Lúcia é relatora de um mandado de segurança do parlamentar para suspender a quebra. Antes de decidir a questão, a ministra pede que a comissão esclareça os motivos pelos quais a quebra abrange período anterior à pandemia.

"Determino sejam requisitadas informações à autoridade indigitada coatora, em especial sobre a quebra do sigilo fiscal a alcançar período anterior ao pandêmico (2016 até a presente data), para prestá-las no prazo máximo de 24 horas", decidiu

A defesa de Barros recorreu ao Supremo após a CPI decidir, na manhã de hoje, aprovar requerimento para acessar os sigilos do deputado. 

Para os advogados, a medida é um "ato nitidamente inconstitucional" e sem fundamentação. Além disso, a defesa sustenta que a CPI não pode determinar a medida contra parlamentares. 

"Na?o ha? du?vidas de que a ause?ncia de previsa?o de quebras de sigilo ou outras dilige?ncias constritivas em relac?a?o a? membros do Congresso Nacional sa?o vedadas pelo ordenamento pa?trio", argumentam os advogados.

Escrito por:

Agência Brasil