Publicado 20 de Maio de 2021 - 11h04

Por Correio Popular

Movimentação em posto de vacinação contra a covid-19, montado no distrito de Sousas, em ambiente ao ar livre: neste próximo sábado, dia 22, será o dia D da vacinação em Campinas

Ricardo Lima/Correio Popular

Movimentação em posto de vacinação contra a covid-19, montado no distrito de Sousas, em ambiente ao ar livre: neste próximo sábado, dia 22, será o dia D da vacinação em Campinas

Após o registro de 367 novos casos de covid-19 e 13 óbitos nas últimas 24 horas na cidade, o prefeito Dário Saadi (Republicanos) anunciou a prorrogação da fase de transição do Plano São Paulo no município até o próximo dia 31, e um aumento da flexibilização a partir de 1º de junho com a ampliação do horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais até as 22h. Um programa piloto de testagem rápida por antígeno para detectar pessoas sintomáticas, rastrear contatos e realizar o isolamento também foi comunicado e terá início na próxima semana.

O anúncio foi realizado ontem durante entrevista coletiva transmitida pelas redes sociais após o anúncio feito pelo Governador do Estado de São Paulo, João Doria, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, na Capital. De acordo com o prefeito, do dia 24 até o final deste mês, os estabelecimentos comerciais não essenciais podem permanecer em funcionamento até as 21h. E para evitar aglomerações, a capacidade máxima de ocupação passa de 30% para 40%. Já no dia 1º de junho, a capacidade máxima passa a ser de 60%.

Continuam liberadas as celebrações individuais e coletivas em igrejas, templos e espaços religiosos, desde que seguidos rigorosamente todos os protocolos de higiene e distanciamento social.

O toque de recolher continua das 21h às 5h, assim como a recomendação de teletrabalho para atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horários para entrada e saída de trabalhadores do comércio, serviços e indústrias. A partir do dia 1º, o toque de recolher será das 22h às 5h.

De acordo com o prefeito, a cidade vai acompanhar o Estado nas novas medidas, pois tem registrado redução no número de entrada de novos pacientes com síndromes gripais graves. "À medida que avançamos na campanha de vacinação e os números de internações vão reduzindo é possível tomar atitudes mais flexíveis. Mas o momento pede ainda muita cautela e participação da população no cumprimento rigoroso das medidas sanitárias, uso de máscara e distanciamento social, evitando as aglomerações", disse.

Durante o anúncio da flexibilização das medidas de restrição, a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas (Devisa), Andrea Von Zuben, informou sobre a entrada de novos grupos prioritários no agendamento da vacinação. Desde as 19 horas de ontem, pessoas com doenças crônicas acima de 45 anos podem fazer agendamento para receberem a primeira dose da vacina.

Testagem rápida

A diretora do Devisa também destacou o início de um programa piloto de testagem rápida em pessoas sintomáticas na cidade. O projeto vai começar já a partir da semana que vem e a região Sudoeste foi a escolhida para a realização do programa.

"A ideia é fazer um teste de antígeno, com todas as pessoas que positivaram na região. A gente vai perguntar quais são os contatos próximos, que são aqueles que ficam a menos de um metro e meio sem o uso de máscara, e vamos pedir a lista dessas pessoas, nos residenciais acontece muito isso, e nós testamos todos esses contatos para mantê-los em isolamento", disse.

Segundo a diretora, a cidade já faz o teste PCR, que mede anticorpos e com resultados obtidos em no máximo em 48 horas. Mas o teste por antígeno é considerado um avanço. "Dando certo o projeto piloto de testagem por antígeno vamos estender para todas as regiões da cidade", disse.

A região sudoeste foi escolhida devido ter recebido, anteriormente, um outro projeto piloto com uso de oxímetro, aparelho para verificar a incidência de hipóxia silenciosa, uma das complicações causadas pela covid-19, onde ocorre a queda dos níveis de oxigênio no sangue sem a presença de sintomas de asfixia, como respiração curta.

"Esse projeto de oximetria deu certo e foi estendido para toda a cidade. A ideia agora é trabalhar com esses testes rápidos para identificar casos sintomáticos, os contatos e trabalhar o isolamento de todas as pessoas próximas", explica a diretora.

Ao todo, a cidade contabiliza 98.673 casos de covid-19 desde o início da pandemia e 3.224 mortes.

Campinas organiza dia D da vacinação contra a covid-19

A Prefeitura de Campinas vai realizar no próximo sábado, dia 22, um Dia D de vacinação contra covid-19. Na data, os 60 Centros de Saúde e os cinco centros de imunização ficarão abertos das 9h às 17h para a vacinação das pessoas maiores de 45 anos com doenças preexistentes (comorbidades). O agendamento para esse público prioritário está aberto desde ontem às 19h, no site da campanha ou pelo telefone 160.

Segundo a prefeitura, a imunização será exclusiva para esse público-alvo e a expectativa é atender pelo menos 20 mil pessoas. Para isso, 240 equipes de vacinação estarão trabalhando nos locais de imunização, o que envolve quase 900 profissionais. Conforme a prefeitura, a previsão é que ocorram cerca de 350 agendamentos por centro de saúde.

Para garantir que todas as pessoas com doenças pré-existentes sejam imunizadas, a prefeitura informou que serão aceitos como comprovantes das comorbidades desde atestados médicos, a receitas de remédios e até exames, mesmos os antigos.

"Se não tem o relatório, mas tem a receita, vai ser permitido a vacinação. A gente acredita na honestidade e boa-fé das pessoas", disse o prefeito Dário Saadi (Republicanos).

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), Andrea Von Zuben, informou que a própria rede municipal vai disparar mensagens aos pacientes cadastrados e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) Municipal, e que se enquadram no perfil, avisando que estão aptos a receber a dose da vacina e que realizem o agendamento.

"Havendo dúvidas em relação a quem se enquadra neste grupo prioritário ou ao documento que comprove a doença pré-existente, a pessoa deve se dirigir a qualquer centro de saúde", reforça.

Ao todo, 258.776 pessoas receberam a primeira dose do imunizante em Campinas. Receberam duas doses 143.624 pessoas. Ao todo foram aplicadas cerca de 400 mil doses de vacina. 

Escrito por:

Correio Popular