Publicado 01 de Maio de 2021 - 16h32

Por Da redação

Efigenia e sua filha Leide: satisfeitas com o novo horário do comércio

Diogo Zacarias/ Correio Popular

Efigenia e sua filha Leide: satisfeitas com o novo horário do comércio

O novo horário de funcionamento do comércio, que a partir de hoje pode abrir das 6h às 20h em todo o Estado de São Paulo, animou os empresários para as vendas do Dia das Mães, a ser comemorado no segundo domingo de maio (9). Ontem, a Prefeitura de Campinas publicou o decreto estendendo a fase de transição do Plano SP, que ampliou o horário, antes restrito das 11h às 19h. A medida foi tomada pelo Palácio dos Bandeirantes na quarta-feira (28), e vale até domingo (9).

A estimativa da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) é de que a venda nas lojas físicas na região metropolitana movimente cerca de R$ 211,5 milhões, 14% acima dos R$ 185,5 faturados em 2020. Já para as vendas pela internet, a expectativa é faturar R$ 197, 4 milhões, 25,5% a mais do que os R$ 157,3 milhões do ano passado.

Segundo o economista Laerte Martins, da Acic, o valor médio do presente está estimado em R$ 240,00, uma expansão de 4,35% sobre o valor de R$ 230,00 gastos em 2020. Os presentes mais procurados nas vendas físicas devem ser perfumes, roupas, calçados e flores. Nas vendas digitais, a preferência aponta para eletroeletrônicos, como celulares e notebooks.

Na semana de 11 a 17 de abril, o faturamento médio no comércio de Campinas foi de R$ 16,3 milhões por dia, enquanto na Fase de Transição, de 19 a 26 de abril (que incluiu a abertura de outras atividades, como salões de beleza e academias), o valor diário atingiu R$ 19,1 milhões, o que representa 17% de aumento no volume de venda.

Em março desde ano, as vendas pela internet atingiram R$ 80,3 milhões, representando um crescimento de 28,5% na comparação com março de 2020, que teve faturamento de R$ 62,5 milhões. No geral, porém, o faturamento apresentado pelo setor em março de 2021 mostrou uma redução de 2,91% em relação a março de 2020, e de 21,16% na comparação com fevereiro de 2021.

A vendedora Letícia Cardoso de Carvalho, da Belíssima, no Centro de Campinas, conta que espera um aumento significativo no movimento da loja a partir de quinta-feira. "As pessoas deixam para comprar na última hora, mas acho que no sábado que vem vai ser muito bom", afirma. Quanto aos presentes, lembra que nos anos anteriores, a maior parte das vendas era de bolsas, maquiagens e bijuterias, mas, este ano, aposta mesmo em bijoux.

A coordenadora de operações Patrícia Gonçalves Miguel, de 23 anos, gostaria de poder dar pelo menos um par de brincos neste Dia das Mães, mas está desempregada há um ano. "Não vou poder dar nenhum presente porque está muito complicada a minha situação", lamenta.

A manicure Nilma Lima Costa, de 35 anos, tem dois filhos: um de 19 e outro de 21 anos, e não sabe se ganhará algo este ano. "Está todo mundo muito apertado, e talvez eu não ganhe nada. Claro que eu gostaria de ganhar presente, mas se não der, não tem problema nenhum. O que vale é a intenção e o amor dos meus filhos", declarou.

Considerada a segunda data mais importante para o setor de alimentação fora do lar, só perdendo para o Dia dos Namorados, o Dia das Mães está sendo esperado com grande expectativa pelos empresários de restaurantes da região. No ano passado, devido à Fase Vermelha, eles só puderam trabalhar por delivery. Já em anos pré-pandemia, o movimento chegava a aumentar até 50% na comparação a um final de semana comum.

Escrito por:

Da redação